sábado, 31 de outubro de 2009

O Zé das escutas

Ele é a prova que um grande jornalista, não é sinónimo de um grande director. Hoje abandona o cargo que ocupava no Público, e regressa à cadeira de onde nunca deveria ter saído, a de jornalista. É um grande "compincha" do Twitter, excessivamente participativo até, mas ao ler José Manuel Fernandes, não deixarei de pensar que ele é,ou foi, o Zé das escutas.
De qualquer forma, fica aqui o artigo de despedida, deliciosamente escrito como sempre, pêlo seu punho. Esperemos que este episódio tenha sido um deslise, aliás a que todos estamos expostos, e que um dia recupere a sua dignidade, ele é um dos que merece.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Projecto Verde

Já todos sabem que nasci com uma costela liberal. Aliás a mesma costela faz com que olhe para os partidos de direita com alguma desconfiança, seja qual for o projecto que encabecem. Tenho a consciência do rol de problemas que eventualmente surgiriam, se alguma vez uma ala mais radical da esquerda, obtivesse apoio para chegar a governo. Mas tenho igualmente a consciência de perceber, que serão estes os únicos com coragem suficiente para mudar alguns aspectos da nossa sociedade, da mais elementar justiça.
Os Verdes por exemplo, apresentaram hoje no parlamento um projecto de lei para discutir o casamento entre homossexuais. Apesar de não me ligar nenhum tipo de simpatia a este partido, retiro desde já o meu chapéu a esta iniciativa. É tempo de acabar no nosso país com este tipo de segregação, excluir pessoas pela suas preferências sexuais, não lembra nem ao "menino Jesus", Ele que me perdoe a expressão. Se eventualmente outros partidos desligassem o "complicómetro", e tentassem definitivamente perceber as reais necessidades da nossa sociedade, provavelmente os actos eleitorais começariam a registar outros níveis de adesão.

Leãozinho

Desculpem...não resisti. Eu sei que é feio brincar com o mal dos outros, mas esta é deliciosa. Paulinho desculpa lá, tá?

Perafita Tv em directo


Depois de uma campanha eleitoral intensa, que culminaram com os resultados brilhantes que todos nós sabemos, hoje ás 21:30 toma posse o executivo da J.F. de Perafita, liderado por Rui Lopes à esquerda na foto. A Perafita Tv, a primeira televisão portuguesa da Web a transmitir em directo (livestream), fundada por este executivo, e pelo autor do texto, vai lá estar para lhe mostrar tudo.
Ora cá estão dois bons motivos, para hoje estar de bem com a vida.




quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Estado de Graça


Todos os comentadores políticos são unânimes, durante algum tempo iremos gozar de um Estado de Graça. Ora gostava que esclarecessem uns pequenos pormenores.
Algum tempo é um ano? Dois? A frase é para seguirmos à letra?
Sabem, dava jeito saber por quanto tempo vamos ficar sem pagar impostos, portagens, taxas moderadoras, pagamentos por conta, coisas assim...

Modinha da calça caida

Está definitivamente implementada no nosso país a moda da calça caída.
Os mais jovens deixaram-se render, a esta tendência, muito por força das imagens com que são bombardeados diariamente, dos rappers Norte Americanos.
Com toda a honestidade, não me move nenhuma espécie de preconceito contra o facto. Aliás, apesar de circularem por aí alguns traseiros mais libertos, pode eventualmente ser eficaz, em caso de uma evacuação urgente. Esta não me atrai de todo, mas também não me choca, tenho por ela uma espécie de indiferença. Tanto assim é, que jamais compraria uma, mesmo que lá em casa morassem boxers de ouro, para os poder passear na rua em jeito de ostentação.
O que realmente atropela a minha humilde inteligência, é o facto de estes rapazes, com a infinita sede de imitarem os ídolos do momento, não se questionarem uma vez que seja. Não procuram sequer saber, o porquê dos rappers se vestirem desta forma, enfim, comportam-se apenas como simples macaquinhos de imitação.
Por exemplo, será que se porventura sonhassem, que os seus ídolos se inspiraram nas cadeias americanas para se vestirem assim, mudariam o guarda roupa? Pois não sei. Mas de qualquer forma eles merecem saber. É que isto de andar com as calças a cair, nasceu mesmo nas penitenciarias americanas, e servia para os reclusos homossexuais se diferenciarem, da restante população prisional. Mais tarde os rappers para ironizar o facto vestiram-se assim, e ...pimba! Foi em grande, mais um êxito comercial com milhões de calças vendidas.
Eu que já conheço as origens da modinha da calça caída, é que irei continuar na dúvida, será que eles realmente sabem que andam a dizer a todo o mundo que são homossexuais? Só para que saibam...depois não se venham queixar!

Para devorar


Ai está! Já está um á minha espera na Fnac. O fim de semana está garantido. Aventura, viagens inesperadas e muito suspense. Está tudo lá dentro estou certo, como só Dan Brown sabe dar.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Cidadã do Mundo

Para nós Alexandra, para o mundo uma simples menina, de sorriso aberto, e olhos translúcidos. Uma, entre tantas outras presa nas malhas da justiça, onde impera a vil cegueira dos homens. Garanto, hoje até nem é o melhor dos dias para estar aqui a escrever sobre este caso, pois o meu estado de espírito pode eventualmente carregar os adjectivos, na hora de o tratar com a emoção que ele merece. No entanto, prometo tentar não ofender ninguém na sua dignidade, não é de todo, esse o meu propósito. Eu sei que o caso no nosso país já se tornou de tal forma mediático, que já ninguém olha para ele, sem achar enfadonho, o ruído que se faz á volta dele diariamente. Mas este caso, igual a milhares de outros que proliferam por esse mundo fora, é da maior importância. Vale a pena reflectir, como os homens, esses que detêm o poder de determinar o futuro de quem por infortúnio, cai nas mãos da justiça, tratam do nosso futuro. Sim do nosso futuro, não costumam dizer que as crianças são o nosso futuro, o futuro do mundo? Dizem não dizem? Convêm, fica bonito no dia 1 de Junho, a frase é bonita, e é rápida de escrever nos discursos dos mais entusiastas. Depois na prática é o que se vê. Atropela-se o direito das crianças, faz-se de conta, assobia-se para o ar, e tudo termina com uma enorme confusão, cheio de nós muito bem atados. Trataram a Alexandra como se ela fosse algo abstracto, um mero número num processo perdido no meio de corredores apinhados de tantos outros papéis. Os mesmos homens, esqueceram que este vai-e-vem, o muda de familia como quem muda de camisa, marcará o futuro da criança para sempre. Como poderá ser esta criança, no futuro, um adulto equilibrado, se já perdeu a sua infância? Consigam ou não fazer justiça tarde e a más horas, tenham ou não a habilidade diplomática para lidar com as autoridades Russas, e conseguir dar esperança de um futuro melhor a esta criança em Portugal, com a família que sempre foi a dela, há direitos que lhe foram negados enquanto menor. Para que saibam o artigo segundo, da carta dos direitos das crianças reza assim:
2º Princípio – A criança tem o direito de ser compreendida e protegida, e devem ter oportunidades para seu desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, de forma sadia e normal e em condições de liberdade e dignidade. As leis devem levar em conta os melhores interesses da criança.
Sendo assim, e sabendo que este não é caso virgem, será que estes homens com poder para decidir, os tais que moram nos novos e velhos palácios da justiça, conseguem olhar de frente para os seus próprios filhos?
Sabem este caso enoja-me, com toda a carga que a palavra contém. Enoja-me o caso, as pessoas nele envolvido, a hipocrisia que manifestam, e a indiferença com que o abordam. Vocês Juízes donos de um poder quase divino, cheiram a bolor, são arquitectos de inúmeros equívocos e agonias, e não defendem a causa para as quais foram nomeados. As Alexandras cidadãs do mundo, esperam com certeza, que vocês despertem nos seus mundos, nos seus problemas que de tão pequeninos, se tornam ainda mais graves, que as tratem com todo o respeito, e sobretudo que as olhem, olhos nos olhos.
Já agora só por curiosidade, eu ao publicar uma foto desta menina, acabo de violar também um direito das crianças. Descubra qual.

Alguém desliga o interruptor?


Há dias assim...tudo parece correr dentro dos carris e ...num âpice, alguém muito iluminado, decide carregar no interruptor...e pronto! Lá vai o sapador apagar os respectivos fogos.
É precisamente nestes dias, que tenho a certeza de onde venho, e até onde posso chegar! Percebo que serei sempre um azul bébé, um verde muito fusco, ou um amarelo muito discreto. As cores berrantes que fiquem para quem se sente bem com elas.
Será que alguém se lembra de apagar os meus fogos? Caramba, já vai sendo tempo não?

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Saiba o que lhe vai no peito

Para assinalar o Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama, no dia 30 de Outubro, a Associação Ame e Viva a Vida lança a campanha de sensibilização "Saiba o que lhe vai no peito", entre os dias 26 a 30 de Outubro. Como forma de chamar a atenção para esta doença que mata em silêncio milhares de mulheres, a associação lançou um desafio para que todas vistam uma peça de roupa Rosa até Sexta feira.
Como sabem o diagnóstico precoce, pode evitar a perda de muitas vidas, portanto chamar a atenção das "meninas" mais "distraídas" impõe-se, se poder participe.
Eu embora fazendo parte do sexo oposto, vou dar uma vista de olhos pelo guarda roupa, e se encontrar algo cor de rosa, garanto que visto também.



Estrela (de)cadente

video

Recebi este vídeo hoje bem cedinho. Foi enviado pelo Pedro Silva Cardoso, também ele um Madelenense de gema e amigo de longa data. Recuso-me a revelar o seu conteúdo, por considerar atentatório as tradições e bons costumes. Quem não viu o vídeo por favor abra, e deixe soltar as gargalhadas à vontade.

Agora percebem porque ando sempre bem disposto pela manhã?

Dedicatória cretina


Mário Soares na hora de festejar o quarto golo do Benfica, ontem à noite. Reparem bem na expressão artística facial escolhida, para brindar os cretinos da noite. E o que dizer da frieza demonstrada na hora de esconder os dedos, não fossem outros cretinos, fazer perguntas idiotas.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Quando nem tudo vale a pena!


Foi o Feher, foi o Paulo Pinto, foi o Kevin Weidemond... quantos mais vão ser precisos para alguém colocar o dedo na ferida? Foi a falta de meios? Foi a vontade suprema de ganhar a todo o custo?
Tenha lá sido a razão que levou ao súbito desaparecimento de mais um atleta, está na hora dos senhores com responsabilidade no desporto, de assumirem as suas responsabilidades. Como ex-atleta, tenho todo o direito de vos dizer, isto no mínimo deveria fazer-vos corar de vergonha. Os "Gatos" diriam a propósito "...vocês falam falam mas não dizem nada... e depois é isto..." A ti Kevin, estejas onde estiveres, obrigado pela tua entrega ao desporto, ela foi total, afinal o teu desaparecimento prova isso mesmo. PAZ para ti muita PAZ, e que nos sirvas de exemplo.

E agora?

É para mim difícil exprimir a alegria que me invade a alma, a cada jogo do GLORIOSO. Rezo ardentemente para que os homens do apito se esqueçam de assinalar o minuto noventa, para assim conseguir ver mais uns minutos do mais belo futebol praticado em Portugal.
Antes do jogo os mais cépticos, aguçavam o bico perante a perspectiva das previsíveis dificuldades que iríamos encontrar. Mas desde a primeira jornada que é frequente ouvir, "...ahhh o BENFICA marca muitos porque coisa e tal... é só bater em mortos e coisa e tal...quando for a sério...". Pois bem, três jogos no espaço de uma semana, dois deles de elevado grau de dificuldade e o "coisa e tal" são dezasseis (17) golos marcados, um (1) sofrido. Belo "coisa e tal". Mas ouvimos mais! Dizem frequentemente que não ganhamos nada esta época. Então os cinco troféus que moram lá no museu são o quê? Porventura devem ser mais um... perdão, mais cinco "coiso e tal".
Mas a azia produzida pelo adiar da derrota é tão grande, que após da última goleada ao Nacional, onde fomos espoliados de dois golos limpos, e prejudicados na validação de um golo marcado descaradamente em fora de jogo, "o coiso e tal" continua. Descodificando, o GLORIOSO só ganhou devido ao túnel, e devido ao árbitro protegido pelo sistema (é o que afirma a Policia Judiciária na investigação do apito azulado), pois foram eles que evitaram a derrota do Nacional, por 10-0.
A minha vontade era estar a despejar o rol de adjectivos que fazem parte do meu léxico, para descrever o que me vai na alma, mas eu poupo-vos esse sacrifício.
Então... e agora? Sim, e agora? Qual vai ser a desculpa?
Eu já sei. Garanto que a desculpa vai ser "afinal o BENFICA está forte porque o Aimar simulou um penalty". Cheira-me que o castigo até vai sair em Dezembro, vai uma aposta?

Apesar do aparente conhecimento do meio que nos rodeia, há pormenores que insistem em fazer lembrar, que nem tudo é o que aparenta, ou a existência de muitas razões para além da razão absoluta. A vida é uma caixinha de pandora, ás vezes excessivamente severa nas suas revelações, outras de uma imponência atroz, mas é sempre a nossa maior escola. A aprendizagem contínua a que somos obrigados, não evita certamente a repetição de encantos e desencantos, de erros, de encontros e desencontros, ou mesmo de cheiros e paisagens. Mas apura-nos os sentidos de tal forma, que ao primeiro soar do alarme, alteramos rotas extemporâneamente, sem observar as tonalidades certas. Estar á alerta é diferente de estar atento. Se a primeira indicia desconfianças permanentes, a última ensina a olhar com a atenção devida. Permite por exemplo observar uma paleta, e saber com exactidão onde encontrar cores novas entre as que são aparentemente iguais.
Perceber esta natureza é um desafio interessante, igual a tantos outros, e um contributo decisivo para o crescimento interior.

Curioso...

Sempre que regresso ao trabalho, depois de uma ausência prolongada, sinto aquele nervoso miudinho... como se fosse o primeiro dia. Nunca cheguei bem a perceber porquê, mas desconfio...

domingo, 25 de outubro de 2009

Obrigado Bia...

Por norma, dedicamos os domingos à família. E eu como bom português não gosto de fugir á regra. Hoje a única diferença para os outros domingos, é que a viagem foi efectuada uma hora mais tarde. Todos os outros "rituais domingueiros" foram religiosamente cumpridos.
Ao chegar a casa dos meus pais, à minha espera estava a minha sobrinha Beatriz, já não a via à cerca de 15 dias, o que para os dois, é um verdadeiro pecado capital. Mais do que a relação tio- sobrinha, somos desde muito cedo verdadeiros cúmplices.
Depois do abraço forte, que serviu de conforto para aliviar as saudades, ela lá estendeu o braço, com uma folha na mão e disse:
"Tio, toma. Fiz este desenho para ti."
Acreditem, é absolutamente normal este tipo de surpresas. Mas hoje o desenho, não era um desenho como os outros. Normalmente reconheço com facilidade o que ela quer transmitir com aqueles traços um pouco naif, mas hoje só havia traços sem sentido. Surpreendido, confesso que fiquei algo atrapalhado, sem saber o que responder, e ela estava ali, a olhar fixamente os meus olhos à espera do elogio da praxe.
"Obrigado Bia, que fixe,o que é isto" - apressei-me a dizer-lhe, com receio de a desiludir. Do alto dos seus sete anos de idade, respondeu com absoluta normalidade:
" É abstracto Tio! Podes imaginar o que quiseres, mas o que eu fiz foi peixinhos na água."
Explodi de alegria e não contive outro abraço. É absolutamente espantoso, a simplicidade com que esta criança nos vai informando do seu crescimento interior. Hoje fiquei com a certeza do final da sua inocência. Esta frase ecou dentro de mim até agora e jamais a esquecerei. Provavelmente as nossas longas bricadeiras, "dos cabeleireiros",onde fico com penteados absolutamente surreais, "das casinhas", em que passo por filho dela na maior parte do tempo, chegarão ao fim, para dar lugar a outras, porventura não tão divertidas, mas igualmente fascinantes.
Não é menos fascinante, a forma como a Bia crescendo, nos obriga a crescer junto com ela.
Obrigado Beatriz

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Só fumaça...



Já experimentaram comunicar por sinais de fumo? Não? É divertido! É chato, mas divertido...entendem? Não? Nem eu! É melhor continuar nisto dos sinais de fumo...

Confusos? Eu não!


Vivemos aqui num rectângulo bastante peculiar.
Não é que passaram a semana toda a zurzir do Sr Engenheiro, porque pelos vistos não era capaz de formar governo?
Como sabem, viver sob alçada de um governo em gestão, num país com estas dimensões, é um crime que lesa a pátria. Eram comentadores e comentadeiras a palrear, (que outra expressão não conheço), políticos de todos os quadrantes todos eles de elevada craveira, mas todos eles derrotados pelo povo, e finalmente essa estimada classe dos jornalistas, que agora parece que já podem também pertencer ao lote de comentadores, claro desde que garantam sempre a sua (im)parcialidade. Todos eles, num só coro, a imploravam ao sr. primeiro ministro, se fazia lá o favor de constituir o governo. Esqueceram- se no entanto, de um pequeno pormenor. Não tem importância relevante eu sei, mas convêm lembrar mesmo assim, que existem prazos legais para o efeito, e nenhum foi ultrapassado. E mais, como sabem este vai ser mais um governo minoritário, como tal, os prazos ainda são mais alargados, uma vez que o sr engenheiro, o tal que papa professores e trabalhadores ao pequeno almoço, deu-se ao trabalho de ouvir todos os partidos da oposição. Cheguei mesmo a ver num dos canais televisivos, do grupo daquele sr...o tal fundador do PPD/PSD, que agora é só PSD, o sr...ah...Balsemão, onde se faziam apostas nos nomes mais ministeriaveis, e quais eram os factores que José Sócrates deveria ter em conta para formar governo.
Por fim lá se fez um "governozito", mais um que já tem o seu destino traçado, é da vida. E pronto, lá vieram os mesmo, os tais que referi em cima. Em tudo o que era canal, sempre os mesmos, agora passados exactamente 2 dias, já tinham uma visão renovada do assunto. "Este Governo assim não serve", "o ministro A não pode ficar com a pasta B", "o governo tem 5 mulheres", "8 são novos e 8 são repetentes..."enfim tudo serve para "bater" no governo. Mas eu pergunto:
Estava tudo bem como estava? Se estava, porque é que estavam com tanta pressa? Queriam o PSD no governo? Então porque é que não disseram à Ferreira, para aceitar a coligação? Não digam que ainda agora acabaram as eleições, e já querem mais? Não acham que o país precisa de contribuntos mais construtivos? Já se preocuparam em apontar caminhos, para os desafios importantes que nós, simples contribuintes enfrentámos diáriamente? Não acham que isto de mudar de discurso de dois em dois dias, é assim um bocadinho absurdo?
Cheira-me que anda ai alguém que não quer que se olhe, para o principal partido da oposição, e arranja uns brinquedos para a gente se entreter.

Aprender a ouvir

Nesta sociedade onde cada vez mais se viaja a velocidades proibitivas, poucos são já os que encontramos por essas encruzilhadas, com a verdadeira capacidade de saber ouvir. Falo dos que realmente sabem ouvir...Não confunda-mos, com os habituais possuidores da desculpa do querer ouvir, e que procuram unicamente interferir nos nossos mais diversos pensamentos. Alguns chegam até a ruçar a perversidade, uma vez que só nos ouvem, no sentido de alcançar os nossos segredos mais recônditos, algo explosivo, com que se possam vangloriar no futuro, pela capacidade demonstrada na partilha. Há ainda quem simplesmente pense, que quando queremos que nos escutem, isso é sinónimo de busca de conselhos, de outras vivências, ou até de palavras de conforto.
Acredito até que a sua grande maioria, nem se apercebe da gravidade dos seus actos. Fazem-no inconscientemente, e provavelmente com a melhor das intenções. Aliás quem seria eu para colocar isso em causa!
Nós, somos tendencialmente levados a errar, quando colocados no papel do verdadeiro ouvinte. É absolutamente normal confundir os papeis. Mas quando alguém pede para a ouvirmos, ela fundamentalmente está a dizer, "coloca-te no papel de ouvinte.", não é?
Então só seremos verdadeiros, se possuirmos a capacidade de saber ouvir.
E sabem, quando alguém nos escuta de verdade, é como se nos ajudasse a nascer, nos permitisse desabrochar. E acho que é ai que verdadeiramente as nossas ideias começam a germinar, e a ganhar vida em nós.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Jesus é grande



Se falar mal de Deus e da bíblia, dá direito a pedidos de extradição e retirada da nacionalidade, percebo agora o porquê de sua excelência o Papa do norte ainda não se ter pronunciado sobre Jesus.

Pensamento do dia


Desculpem... não consigo pensar em mais nada....

Aventura

A minha aventura não tem fim. Este mundo continua a girar, numa eterna obsessão de nos limitar no tempo, e teima em colocar os seus trilhos bem em cima dos meus, numa inssistente tentativa de me fazer mudar de rumo... ou talvez não...quem sabe?
Não sou rebelde, não sou irreverente, ou muito menos um desalinhado. O receio de sair dos trilhos bem desenhados, onde nunca perdemos de vista a meta, por muito longo que seja o percurso, é grande. Isto faz de mim um cobarde? As hipóteses de a resposta ser afirmativa são elevadas, eu sei, mas no entanto não a vejo assim tão clara.
Provavelmente serei mais um eterno comodista, prefiro os trilhos curtos, mas infinitamente menos compensadores. As rotinas atraem-me e tenho uma manifesta aptência para a distração compulsiva. É com frequência, que presto pouca atenção aos companheiros de viagem, aos sinais que vou encontrando, ás paisagens com que sou brindado, ou mesmo aos absolutamente desconhecidos. Caminho de olhos postos nos pés, gosto de saber o terreno que piso, como tal não dispenso grande atenção ao resto que me rodeia. Serei egoísta? Provavelmente, embora não goste particularmente do meu umbigo...mas também não admiro nenhum outro em particular, simplesmente olho pouco, não gosto de desviar as minhas atenções, posso dar um passo em falso. O que é certo, é que esta aventura de me encontrar não tem fim. Já parti á muito tempo, a meta continua á vista, e eu...bem...acho que continuo sempre com os olhos virados para os pés...


quarta-feira, 21 de outubro de 2009

A minha musica

Curioso ou não, apesar de estar permanentemente ligado á música por motivos profissionais, poucas são aquelas que me deixam marcas. Fui habituado desde cedo, a manter uma relação mercantilista com este mundo, o que me impede de ser um verdadeiro amante. No entanto todos os momentos mais importantes da minha vida, são identificados na minha memória por alguns temas. Muitos até que passam despercebidos, nem sempre são hits, não têm necessariamente de ser consensuais, de qualidade acima da média, ou de receber os mais rasgados elogios da critica especializada. Por algum motivo seja ele qual for, está a tocar no preciso momento em que algo acontece e eu fico com ela em backup. Depois... bem depois descarrego as minhas memórias sempre que as tenho de ouvir. músicas das quais não vale a pena fugir, sempre que as ouvir, sentirei de novo os cheiros, os sorrisos, as frases soltas, as paisagens, os amigos, os reencontros, as perdas, as alegrias, as nostalgias, as viagens... enfim, passam por mim durante breves minutos, milhares de imagens que me fazem viajar no tempo, e sentir que tudo valeu a pena.

Valente


Ainda José Saramago pois então...
Acusem o Nobel de ateu, agnóstico, não crente, de comunista, ou de outro epíteto qualquer. Mas meus caros, de desonestidade intelectual, e de falta de carácter, é impossível. Depois de ouvir atentamente a entrevista na RTP, fiquei ainda mais convencido, ele é realmente um intelectual que devemos escutar com atenção e respeitar, concordemos ou não da essência.
Isto de conseguir reiterar todas as afirmações conhecidas, depois do vendaval eclisiástico e político de que foi alvo, só está ao alcance dos heróis do nosso imaginário, e ainda termina a dar lições de moral à comunidade cristã, e religiosa em geral. Sei que é difícil a muitos despirem a camisola do Vaticano, e ouvir atentamente o que este homem de Deus (não somos todos?), diz. Sinceramente ainda ninguém foi capaz de explicar, qual é o crime de colocar em causa o que está escrito na Bíblia. Suspeito até que todos nós já o fizemos pelo menos uma vez na vida, não? Apesar de não concordar com o essêncial, de não me rever nos seus ideais, não posso deixar de afirmar VALENTE SARAMAGO...VALENTE!

Estado Grave

A saúde atraiçoou-me esta semana. Nem tudo é mau, até porque com o tempo que faz lá fora, até sabe bem ficar cá dentro, e na cama. Por certo, terá sido mesmo por este facto, que me deixei influenciar pelo o que li, esta manhã no blogue Delito de opinião.
O que vos vou transcrever, podem ler vocês mesmo aqui, e retrata um post de um médico, director de serviço no hospital da Régua. Pelos vistos, o drº, e bloguer em part-time, havia acabado de receber uma má noticia, e reagiu desta forma: "...Se algum filho da puta vier dizer aqui que "os médicos também adoecem e morrem, conforme os coveiros também dão enterros razoáveis, portanto helooow!, qual é o problema?" que fique sabendo que não lhe respondo, que apago o c... do comentário e que, a seguir, rezarei para que esse filho da puta se desgrace e cague torrencialmente sangue, derivado a um divino e grosso toro que lhe penetre a anilha, tão fundamente como puder ser..."
Acreditem que os impropérios jorram a cada frase escrita, por esta mente estagnada. A visão apresentada dos pacientes que atende diariamente é aterradora, e como tal escuso-me a transcrever a sua totalidade.
Aos mais sensíveis peço evidentemente desculpas, aos que quiserem saber o que pensam alguns senhores doutores, de todos nós, aqueles que da pequena "esmola" que recebemos mensalmente, ainda descontamos para lhes pagar o ordenado, visitem o blog do senhor Besugo. E tenham cuidado, ao passar na Régua convêm não ficar doente, mas se ficar vá a outro hospital, não vá encontrar por lá algum doutor mal disposto.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Por todos nós

Eu já tomei a minha posição. E tu? pensas nisso?

Junta aqui a tua voz! Copia o código e faz um post no teu blog.

Fanatismos Tolerantes


Diverte-me o facto de uma opinião de José Saramago, provocar um ataque tão feroz por parte dos braços armados da igreja. Tendo a noção da gravidade das suas afirmações, não percebo a onda de protesto que se levantou. Não passa de uma mera opinião, e só lhe darão o crédito que quiserem dar. A ver pelos protestos, há muita gente na igreja católica, a idolatrar o Nobel Saramago. Fico atónito por esta mesma igreja da qual faço parte, praticar a máxima "olha para o que eu digo, não olhes para o que faço". Basta lembrar os apressados apelos á tolerância, quando publicaram os Versículos Satânicos, de Salmon Rushdie. Pois acredito que seja fácil tolerar ataques aos credos dos outros, já quando nos diz respeito... Está na hora da igreja, e de alguns dos seus seguidores, fecharem a porta ao mediavalismo, pararem com as caças as bruxas, e aceitarem o direito á diferença e á livre opinião. Cada vez mais me convenço, que vivemos num mundo tolerantemente fanático, que enaltece o conceito do bom rebanho, e elege as suas melhores ovelhas, mas que ao primeiro estalar de verniz, deixa cair a capa com que se costumam tapar. Sabem, se acreditassem realmente no que está escrito nos livros sagrados, jamais se importariam com as opiniões de meros tresmalhados, pelo que esta onda de protestos, cheira-me a revolta dos homens de pouca fé.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Naturalmente

Ai está! Ainda á pouco estávamos todos a banhos, e eis que num ápice começou a cair a folha.
Já sinto o cheirinho a castanha assada, e vêm-me á memória Santa Catarina ao fim do dia, com o enorme turbilhão de gente anónima que se cruzam na pressa de regressar a casa. Recordo com saudade os dias que percorria esta zona da cidade, de mão dada com a minha mãe, a meio era imperativo a folha de jornal cheia de castanhas, sempre quentes e boas. Agora é tempo de a natureza voltar a fazer das suas. Tudo o que fizer morrer agora, têm o seu propósito, nada acontece ao acaso.
Na vida, tal como na natureza, também nada acontecerá por mero acaso. Por isso se algum dia caíres 7 vezes tal com a folha, levanta-te sempre 8.

África á vista


Se não ultrapassar-mos este Play-Off, até a bandeira ficará envergonhada.

Manobras




Li hoje no Jornal Público o seguinte:


"O Governo britânico vai solicitar aos serviços de espionagem norte-americanos imagens de satélite recolhidas quando do desaparecimento de Madeleine McCann, em Maio de 2007, na Praia da Luz, segundo notícia do jornal Sunday Express." E ainda: ..."Judiciária acredita que as imagens poderão mostrar quem raptou Maddie."
Desculpem lá, digam-me que eu não estive ausente deste mundo durante um período prolongado, e só acordei dois séculos á frente. Não será melhor sugerir uma boa leitura á policia Inglesa? Querem uma ajuda na tradução? A publicação está proibida aqui neste país, mas se quiserem uma cópia eu até tiro de bom grado. Crime por crime, sempre vai sendo menos grave o meu.





domingo, 18 de outubro de 2009

A vã glória do delírio


Sinceramente não consigo adjectivar o desfile de domingo á noite na SIC. É impressionante como a sede de obter reconhecimento publico, leva a equívocos hilariantemente devorados por quem assiste nos sofás, transformados por uma noite, numa enorme plateia. É vê-los desfilar um após outro. Os pobres de espírito, as figurinhas tontas, os fieis representantes de uma geração irremediavelmente perdida, os cantadores e cantadeiras de chuveiro, os desafinadamente bem parecidos, e finalmente os equivocados. Eu gosto de ver, diverte-me a produção. A capacidade que demonstram em brincar com o fim de sonhos é brutal. Chega a roçar a desonestidade intelectual, se é que não o são mesmo, mas percebo que a maior parte dos concorrentes desconhece o significado da afirmação.
Para alguns é o inicio do fim de um sonho, e para a grande parte, o reconhecimento da necessidade de mudar de espelho. E para todos eles, a permissão colectiva de terceiros, brincarem com o maior sacramento alguma vez dado, o sonho.
Mas garanto, eu gosto de assistir.
O meu 5.1, dá-me garantias de poder ajuizar a avaliação de um júri, dejá vu. No fim de cada programa fico arrasado com o desfile de sonhos acabados, e arrepiado com a quantidade de jovens convencidos que ser ídolo, super, ou star, está ali ao lado na ponta dos dedos.
Mas eu gosto de assistir garanto. Deliro sempre. É ver entrar um atrás do outro, convencidos que o passaporte para a felicidade eterna já lá mora, e depois...bem depois é notório, eles nunca aprenderam que a palavra NÃO, também faz parte da vida. Aliás seria até bom que alguém lhes sussurra-se ao ouvido, que é esta palavra que mais vão ouvir na vida.

Farmacia em Perafita escreve-se com F ou Ph?

Este é sem dúvida um bom caso para reflectir.
Confesso que olho sempre para estes casos que envolvem a saúde com muita desconfiança. Felizmente, não padeço de uma qualquer doença do foro oftalmológico. A criação de vários lobbies ligados á saúde, são evidentemente os grandes responsáveis pela minha desconfiança, e não o contrário. Não precisamos recuar muito no tempo para perceber isso mesmo, basta só lembrar por exemplo, o caso da histeria colectiva que se vive em torno da gripe A. Quem não ligou este facto, á não menos famosa compra em massa da vacina por um grande grupo laboratorial?
Pois é. Mas para mim essas são contas de outro rosário, não passa de um mero exemplo, e não gostaria de me desviar do que considero absolutamente essencial.
Em Perafita, Matosinhos, existem duas farmácias ao serviço da população, o que quando comparado com outras freguesias deste país, é por si só nota de registo. Aliás se tivermos em conta a proximidade do aeroporto, poderíamos bem contar três, não fora a zona de embarque pertencer já ao Concelho da Maia. Ora, estaria aqui a fazer grandes elogios aos proprietários das farmácias, e á Associação Nacional de Farmácias, não fosse o facto de nenhuma delas prestar serviços nocturnos. Ou seja, qualquer habitante de Perafita quando precisa de comprar algum tipo de medicamento fora das horas de expediente, tem que se deslocar a outras freguesias vizinhas. Para os que possuem transporte próprio, acredito que este até não seja um grande problema, uma vez que facilmente se deslocam meia dúzia de quilómetros, até encontrarem uma qualquer farmácia de serviço. Mas e os que não possuem? Será normal pedirmos para aguentarem até ao dia seguinte? Não será esta franja de população merecedora da mesma atenção que os outros? Quais são os motivos apresentados pelas farmácias e pela respectiva associação, que levam a esta situação? O silêncio em torno destas questões é quase ensurdecedor. Apenas um partido durante a campanha para as autárquicas teve a coragem de abordar este assunto com todo o propósito, e ainda assim todos os outros se calaram. Mas quanto a mim este é um assunto que estará certamente em cima da mesa muito brevemente, e se não estiver, deveria, uma vez que contribui decisivamente para a melhoria da qualidade de vida dos habitantes locais. E esta bandeira (qualidade de vida), foi levantada por todos os partidos no fervor da campanha, no sentido de conquistar votos. Logo seria pura demagogia, agora que têm assento garantido nos lugares de decisão, não cumprirem o que prometeram á população. Considero que o facto de as farmácias de Perafita, não colaborarem com as restantes farmácias de Matosinhos, nos serviços 24 horas, intolerável. Está na Hora de terminar com os legados do século passado, de pensar sempre na qualidade de vida, não só quando dá jeito para se poder conquistar mais um voto, e de terminar com alguns lobbies, que julgo colocarem entraves sérios, ao desenvolvimento de Perafita.
Para terminar digo-lhes que aqui nesta vila, por estes motivos que vos enunciei, farmácia ainda se escreve com Ph, porque dá jeito manter as tradições.

sábado, 17 de outubro de 2009

O que faz falta não é animar a malta!

Sabia que 18 em cada 100 portugueses é pobre? O número é avançado pela REAP, Rede Europeia Anti-Pobreza, e deveria envergonhar-nos a todos. Receio no entanto que a cifra, vá servir única e exclusivamente para arma de arremeço politico, em vez de nos unir em torno da questão fundamental, erradicar a pobreza.
Vivemos uma época onde impera a hipocrisia social, onde cada um de nós finge preocupar-se, e contribui muito pouco. Quando falo em contribuir, não falo em dar a esmola da praxe, num dos muitos peditórios que decorrem um pouco por todo lado.
Esta na hora de todos nós, principalmente a classe politica, parar a permanente campanha eleitoral, que se faz em torno desta questão. A permanente procura, de todos, da esquerda á direita, arranjar a música perfeita para encher os nossos ouvidos, com o objectivo de angariar uns quantos votos, não resolve absolutamente nada. O defeito não é exclusivo de um só partido, é transversal.
Faz falta então, colocar definitivamente as diferenças de lado, juntar massa critica, e procurar com inteligência soluções que possam a médio prazo diminuir estes números. Discutam se os subsídios são de facto uma ajuda ou a fonte de mais um problema, discutam politicas de emprego sustentado, discutam a educação, enfim... Discutam, tudo o que possa ajudar as pessoas com dificuldades, a encarar o futuro com alguma esperança, mas façam-no despidos das cores partidárias, ou de ideologias bacocas do século passado.
A nossa sociedade está a mudar, já não basta animar a malta, é preciso agir e demonstrar resultados práticos, sob pena de comprometer a jovem democracia para sempre.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Jornalistas seguem conselho do Astro

Ai está! Este jornalista foi apanhado após a conferência de imprensa do seleccionador Argentino, Diego Maradona. A julgar pelo tamanho do dito cujo, e pelo empenho com que segue os seus conselhos, este deve ter sido o principal detractor do Astro.

Quotas ou cotas?

Faz já algum tempo, julgo que em meados de 2005, numa das varias conversas de circunstância á mesa do café, afirmei,"...esta coisa das quotas impostas nas listas para o parlamento, é uma boa forma de travar a ascensão das mulheres na politica". Bom... caiu o Carmo e a Trindade. Como é lógico, fiquei logo rotulado de machista, retrogrado, conservador, e outros adjectivos que coloriram bem aquela noite. Como é bom de adivinhar, foi extremamente difícil contrapor o que quer que fosse. Quando as mulheres falam, os homens costumam baixar as orelhas, vamos la saber porquê, e eu, não fugindo á regra, também baixei. No entanto tentei em vão explicar, que seria bem melhor deixar tudo como estava. O normal desenvolvimento da nossa sociedade, a renovação da classe politica, e a luta estóica que as mulheres travam pela igualdade, iria encarregar-se de equilibrar os pratos da balança, senão mesmo fazê-lo pender a favor das mulheres.
O que para mim fazia toda a lógica, não era visto no feminino pelo mesmo ângulo. Provavelmente o fervor com que estavam a olhar o problema, provocou a cegueira colectiva, acontece com bastante frequência, e não se trata de um problema hormonal, mas sim de um problema transversal, no que diz respeito a esta "coisa" (apelido-a de coisa porque não consigo encontrar melhor classificação) da guerra dos sexos. Aliás os números da altura contrariavam a minha tese. Na legislatura de 2005 o números de deputadas tinha aumentado de 49 para 63, o que tornou ainda mais difícil explicar, o que quer que fosse.
Agora que o Parlamento regressou aos trabalhos, gostaria de perguntar a todas as mulheres de novo, se concordam com a lei da paridade. A discussão faz todo o sentido, sabem porquê? É que a nova composição do parlamento tem menos mulheres. Finalmente os números estão do meu lado, e desconfio que irão estar décadas a fio.
Apesar da lei prever uma quota mínima de 33% de mulheres, a percentagem nesta legislatura é apenas de 27,4%, havendo mesmo partidos que só apresentam 19% de deputadas nas suas fileiras. E querem saber mais? Apesar das quotas não atingirem os mínimos, não há violação da lei da paridade. Isso mesmo, Ontem (em 2005), como hoje (2009), esta lei cheira-me a um presente envenenado, e é mesmo. Aliás mesmo que os números fossem compridos, esta lei era sempre uma reles forma de travar a progressão das mulheres na vida politica, e nunca uma forma argilosa de as proteger. Se alguma mulher estiver a ler o texto, não a imagino senão ferida no seu ego, quanto mais não seja por estar a ser tratada como uma mísera quota, o que dá um ar mercantilista á questão. Eu ficaria ferido de morte no meu orgulho, jamais me deixaria manipular por uma cifra. Aliás esta coisa de quotas, só as admito na agricultura, e mesmo ai, olho para a questão com alguma apreensão.
Esta lei da paridade foi feita por "cotas", com a finalidade de perpetuar outros "cotas", espero que entendam de uma vez por todas.

Pedro coração de dragão

Hoje fui ao baú... descobri algumas pérolas. Para já fica aqui esta pequena homenagem ao maior benfiquista de sempre. Pedro Proença, esse grande benfiquista, responsável pela lesão grave que afectou o nosso Mantorras (permitiu que fizessem 38 faltas sobre ele sem mostrar uma única vez o cartão amarelo), demonstra neste vídeo o seu grande amor ao clube. Os mais sensíveis devem no entanto estar conscientes, que algumas das imagens que vão ver são chocantes.

Um dia ainda se vai fazer justiça...ai vai vai!

Fantástico


Faltam cerca de 19 horas, para o inicio da venda de bilhetes para o concerto dos U2, a realizar pasme-se, a 02 de Outubro de 2010 ( falta portanto cerca de um ano), e já se formou uma fila á porta da Fnac Matosinhos.
Já em 2005 fiquei de fora apesar de todas as tentativas (net,multibanco,Bp,e filas intermináveis da Fnac), cheira-me que o "Tour 2010" vai pelo mesmo caminho.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Homenagem aos Oeirenses

Tentei elaborar um texto, por medíocre que fosse, para laurear a votação ocorrida domingo em Oeiras. Não consegui, falhei redondamente. Fica no entanto aqui o "hit "do momento em Oeiras, afinal eles são filhos deste acto eleitoral não são?

Metafísica da derrota


Dou mais valor á lágrima da derrota, do que á vergonha que sentiria por nunca ter lutado.
Como tal procuro lutar sempre por tudo aquilo que sonhei, mesmo que me custe uma lágrima derramada!
Escusado será revelar o resultado final...

Os verdadeiros "marcha-atrás"


Esta é uma transcrição da noticia que podem ler no Diário de Trás os Montes




"Casamento? Homosexual?


Não ponho em causa o direito dos homosexuais exprimirem a sua tendência sexual. Desde a revisão constitucional de 2004, os senhores constituintes constituíram que a ligação homosexual deixaria de ser um atentado ao pudor público e passaria a ser um direito de expressão e de realização afectiva e sexual.Não constituíram os senhores constituintes que esta possível forma de realização sexual se pudesse constituir num casamento. E agora andam a entreter-se a discutir isso e não sabem como descalçar a bota. Alguém já falou até num referendo para sacudir a água do capote dos senhores constituintes que, pelos vistos, querem liberdade de voto na matéria que a irreverência dos jovens de esquerda insiste em defender como manifestação de modernidade social."


Recuso dar-me ao trabalho de transcrever mais, o resto se quiserem, passem lá só para dar uma vista de olhos. Mas depois disto só me questiono, o porquê de construírem auto-estradas, para diminuir as assimetrias? Quem disse que traria desenvolvimento?


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Por falar em demagogia...

Todos os dias recebemos verdadeiros insultos á nossa inteligência. Como tal poucos são os factos que acontecem em meu redor, com verdadeira capacidade de causar espanto.
No entanto, esta nova lei de protecção dos animais, consegue ultrapassar todos os limites. Não consigo classificar aquilo que chamam decreto de lei. Estou verdadeiramente dividido. Será que os autores, ou autor, foi assolado por um fumito qualquer que acidentalmente entrou pela sua janela, e ficou por momentos incapacitado do normal raciocínio? Ou, estarão convictos que a população portuguesa é analfabeta, e engole tudo á primeira? Eu suspeito que é na soma das duas que encontraremos a resposta, se bem que uma delas não deixa de ser crime também.
Esta famigerada lei fará com que deixem, e muito bem, de maltratar animais nos circos. Aliás até começa excepcionalmente bem, mas depois... bem depois...é um fartote de emendas para que se perpetuem as verdadeiras barbáries no mundo animal. Em Portugal, desde ontem, é crime alimentar mal um animal, não respeitar as normas de higiene, etc. Mas... podem pedir licenças as câmaras municipais para espetar ferros em touros, e matar em publico o dito animal, cobrando o respectivo bilhete a quem quiser assistir. Os circos deixam de fazer parte da nossa cultura, e as touradas vão ser perpétuadas. Isto que aprovaram não é um decreto de lei, é uma verdadeira tourada de morte.

PASMEM:

Artigo 1.ºMedidas gerais de protecção
1 - São proibidas todas as violências injustificadas contra animais, considerando-se como tais os actos consistentes, sem necessidade, se infligir a morte, o sofrimento cruel e prolongado ou graves lesões a um animal.

(dito assim as touradas também seriam proibidas mas...)

...mais abaixo...

4 - A realização de qualquer espectáculo com touros de morte é excepcionalmente autorizada no caso em que sejam de atender tradições locais que se tenham mantido de forma ininterrupta, pelo menos, nos 50 anos anteriores à entrada em vigor do presente diploma, como expressão de cultura popular, nos dias em que o evento histórico se realize.

Tenham vergonha!!!!!

A demagogia nacionalista cheira mal

Calculo não existir ninguém, que ainda não tenha visto as imagens da moda. Encerramos a trilogia eleitoral, e logo se descobriu um brinquedo novo para fabricar ruído.
Vi e revi as imagens da Maitê no You Tube, e confesso que não consigo descobrir onde está a tão propagada ofensa á nação. Terá sido ela que colocou o número 3 ao contrário na porta? Será pecado não saber se é o rio ou o mar que banha Belém? Não se pode comer pasteis de nata?
Imaginem, por remota que seja a hipótese, o Ricardo Araújo como protagonista, faríamos dele o inimigo nº1 da nação? Será crime mostrar a nossa ignorância? Sabiam que o Soares conta, no seu programa de televisão, anedotas dos "portugas" bem mais ofensivas da dignidade nacionalista?Estarão conscientes os mais puritanos, que nós "os tão ofendidos", escravizamos durante séculos a fio, milhares de brasileiros? Alguma vez pediram oficialmente desculpa?
Quero que os puritanos, nacionalistas, e outros "istas", sempre prontos a formarem lobbies, saibam, que jamais colocarei o meu nome numa petição contra esta senhora.
Diga o que disser, faça o que fizer, não vai ser um qualquer nacionalista a cheirar a mofo, que apagará da minha memória, a beleza que esta mulher irradia. Afinal andam por ai tantas loiras burras, e ainda não vi nenhuma morrer solteira... pois não?

terça-feira, 13 de outubro de 2009

BLACK EYED PEAS

É a maior acção de Flash Mob de sempre! Foram mais de 20.000 em Chicago!

Doce fazer nada

Hoje não vou fazer nada...
Vou colocar um pé no vazio, e agarrar-me com a mão direita ao melhor que a vida tem. O doce fazer nada... E quando digo nada é mesmo nada! É zero! Não vou ler, correr, ver televisão, trabalhar até altas horas em frente ao computador, apagar um fogo qualquer de última hora, enfim... Não vou fazer o que habitualmente faço todos os dias santos, e nos outros também.
Vou simplesmente chegar a casa, passear o meu fiel amigo, e contemplar as vistas que inundam o meu horizonte desde Abril deste ano, até ficar farto. Decidi finalmente aproveitar o melhor que a vida me oferece, e que tanto me custou a ganhar. O Fiord agradece concerteza...Sabem o que é estranho nisto tudo?
É que a simples ideia faz-me sentir estranho, como se estivesse com receio da felicidade inundar a minha vida.

Até Já!

Isto de ser politico, de passar do anonimato a figura publica, o ter de enfrentar os votos, tem muito que se diga.
Sei bem que hoje em dia ser politico não está na moda, fruto da democracia estagnada que se instalou por estas paragens. É por esta, e mais um punhado de razões, que lhes atribuo ainda mais importância. Não falo dos políticos que passeiam afortunadamente, ou não, pelos corredores mais poderosos da nossa republica. Falo dos que se situam na parte inferior da pirâmide, dos que todos os dias dão a cara pelos reais problemas da população que representam, os presidentes de junta.
O José Carlos Cidade é uma destas pessoas, e encabeça o executivo da Junta da Madalena, terra que me viu nascer e crescer. Com ele já travei algumas lutas, algumas delas ainda na escola que frequentamos juntos, foi lá que a nossa amizade teve inicio. Sou por isso conhecedor das suas competências, dos seus defeitos, e do trabalho que dedicava á terra que sempre amou. Apesar da distância que nos separa, de não o ver com regularidade, de ter deixado de ser o meu presidente á mais de 9 anos, não posso deixar de lhe escrever aqui umas linhas em jeito de homenagem.
Fiquei a saber através dos resultados publicados na net, que o Cidade vai deixar o seu lugar de presidente. Sei que para ele esta derrota politica tem um sabor muito amargo, sei o quanto vai custar ganhar novos hábitos, o ter de se preocupar só com os seus problemas. É nesta hora de derrota e não noutra, que costumamos olhar em nosso redor e ver uma linha de horizonte firme. Tenho a certeza que ele a encontrará, até porque na politica morre-se muitas vezes, logo a ressurreição politica não é mera teologia.
Fica a saber Cidade que se o meu voto fala-se ainda na Madalena, era o teu nome que gritava.
Até breve, sei que não irás desistir, para o bem de todos os Madalenenses.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

A verdadeira pobreza...


Na maioria das vezes resulta da confusão, entre a definição de ambição e ganância.
Se as duas não se atropelassem, nem criassem confusão, deixariam de existir carências e pobres de espírito.

O verdadeiro timoneiro


Por norma dizem que as melhores sondagens em todas as eleições, são as urnas. Sabendo eu que nem La Palice encontraria melhor frase para definir tal teoria, esta é uma verdade absoluta.

São já poucos os políticos a gravitar dentro da nossa esfera, que menosprezam os seus eleitores. Quem ousa ainda fazê-lo, paga mais tarde a factura, e muito bem.

Matosinhos esteve por várias razões no centro destas eleições. Primeiro porque o mítico Sr. de Matosinhos estava de novo na corrida pelo poder, e em segundo porque, do outro lado da barricada, apareceu um PSD sedento de poder, que apresentou como candidato o não menos mediático, Guilherme Aguiar, celebrizado como comentador residente dos programas futeboleiros. O epilogo mostrou de forma clara que os eleitores de Matosinhos não se deixam enganar. Durante o apuramento dos resultados era já claro o fim do mito Narciso Miranda, que finalmente perdeu um acto eleitoral ao fim de 35 anos. O PSD por seu lado era severamente punido pela ausência de propostas claras, e por demonstrar um absoluto desconhecimento do concelho de Matosinhos e do seu eleitorado. Estão de parabéns todos os Matosinhenses que brindaram Guilherme Pinto com mais uma victória, aliás com uma brilhante e emocionante victória. O renovado edil matosinhense, não escondeu a emoção no final da noite, e apareceu lavado em lágrimas no pequeno ecrã, perante o aplauso de todo o concelho.

Por essa altura estava eu ainda em Perafita, onde votei, e onde assisti durante a tarde a cenas verdadeiramente lamentáveis, impróprias de um país que se diz democrático. Acredito que o desespero por vezes nos leve a optar por caminhos menos claros. No entanto a desculpa não pode apagar os actos em si. A candidatura Independente de Narciso Miranda, representada nas mesas de Perafita, pelos apoiantes locais, fez batota. E é feio fazer batota,não é?

Por momentos, acreditem, pensei que havíamos voltado aos tempos da anarquia, onde cada um sabia de si, fazia o que bem entendia sem respeito pelas normas instituídas.

Desde ameaças de morte, apelo ao voto em pleno espaço reservado ás urnas, carregamento de pessoas que nunca haviam votado na vida, aliás nem portadoras de identificação eram, valeu tudo. E quando digo tudo, é mesmo tudo. Os responsáveis da candidatura ali presentes foram coniventes e incentivadores dos prevaricadores, espero assim que saibam assumir os seus actos condignamente. Ficava bem não sacudirem a água do capote, assim em jeito de empurrar a culpa para as sopeiras, digo eu. Foi neste ambiente hostil que a população desta Vila falou através do seu voto. Mas mesmo assim apesar de tudo, e de todos, falou bem e bem alto. Rui Lopes continuará a liderar a Junta de Freguesia de Perafita com maioria absoluta. E sabem mais? Este foi o melhor resultado obtido em todo o concelho. Foi o mais folgado, o mais enequivoco. Esta é a prova que mesmo em silêncio, o povo fala sempre mais alto. Não podia terminar sem deixar aqui a minha homenagem aos que levaram a bom porto esta candidatura, são formigas é certo, mas são elas que abrem caminho aos sonhos. Não é Alcidia, Tiago, Miguel, Daniel, Fernanda, Helena, Lino...

Para o meu caro Presidente Rui Lopes vão por fim os votos renovados de total apoio e confiança.

Parabéns a todos, vocês são fantásticos... já olharam bem á vossa volta?



domingo, 11 de outubro de 2009

Receita para o futuro!


Mais nada!

Finalmente a praia!


Será que vamos lá chegar vivos?

Estas eternas manias de jogar os play-off, costumam provocar muitos mortos á beira da praia.

sábado, 10 de outubro de 2009

Vou torcer mas...



Vou assistir e torcer por todos nós. Mas acreditem que o meu sofá vai ser a minha Torre de Belém, e eu mais um velho do Restelo.

Sexy pois então...

Paz? Onde?

Desde sempre acompanho com muito interesse, a atribuição dos prémios Nobel. São na minha modesta opinião, os únicos galardões atribuídos no mundo, que contribuem para o desenvolvimento da nossa civilização. Ninguém imaginaria que esta simples ideia de uma Fundação Sueca, se torna-se, neste mega concurso na escala global. De facto ninguém passará indiferente ao lado de um qualquer prémio Nobel, nem poderia. Ser-se Nobel, é por si só, sinónimo de grande inteligência, dedicação, trabalho e entrega.
Ora este ano, depois de ver grandes vultos reconhecidos, como Madre Teresa de Calcutá, Nelson Mandela, Ramos Horta, Papa João Paulo II, etc, confesso-me verdadeiramente desiludido.
Espero estar completamente enganado, mas a atribuição dos galardões quer na literatura, quer agora na PAZ, são um sinal claro de vulgarização.
No primeiro caso, não posso emitir uma opinião muito avalizada, porque estou incluido no lote da maioria dos leitores Portugueses, ou seja, nos que desconhecem por completo a sua obra literária. Isso por si só já é um mau sinal.
Mas o que dizer da eleição de Obama? Com todo o respeito (até porque fiquei feliz com a sua chegada á Casa Branca, como liberal que sou), que fez este homem em seis meses para a pacificação do planeta? Eu não consigo vislumbrar nada de relevante. Nada mesmo. É que apesar de ter assinado alguns acordos de principio, as armas nucleares continuam lá, e as tropas no Iraque e no Afeganistão continuam exactamente no mesmo sítio. Ou seja este ano a fundação Sueca pode ter duas ordens de razão para eleger Barack Obama. Talvez ninguém se tenha destacado este ano de forma decisiva neste âmbito, e elegeram o presidente Norte Americano, como poderiam ter elegido o rei da Argélia, o seja foi por mero acaso. Ou então premiaram o principio do fim do racismo nos Estados Unidos, que os americanos afirmaram ao eleger o primeiro presidente negro da história Americana, e estão todos com muita vergonha de o dizer.
É que sinceramente, a minha humilde inteligência não consegue ver mais nada no horizonte.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Fala a Natureza

Sempre que os nossos caminhos nos colocam perante o desconhecido, a atitude mais lógica, depois da reflexão da praxe, é certamente escolher o meio ambiente menos adverso. Aquele que hipotéticamente nos colocará menos problemas de adaptação. Percebo a escolha do novo trilho. O instinto animal que persegue a raça humana fala mais alto. E sem dar conta, cada um de nós tenta á sua maneira sobreviver da melhor forma, no seu habitat de eleição. Não se trata de uma fuga para a frente, ou mesmo de falta de carácter, é simplesmente puro instinto.
No entanto, se nos debruçarmos com toda a seriedade sobre as encruzilhadas da vida, é fácil perceber, que na natureza só sobrevivem os que fácilmente se adaptam ao meio ambiente, aqueles que se dão ao luxo de poder escolher os caminhos mais agrestes, sofrendo as mutações necessárias para sobreviver. São eles que um dia ganharão a esmonia. Então e os outros?
Sem pingo de ironia, acredito que serão raros os que entrarão em extinção, mas certamente que mesmo percorrendo os caminhos mais fáceis, a sua sobrevivência será muito mais dificil.




Nas asas da vitória...

Hoje acordei com a sensação que a vitória está perto...

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Credo!!! Que horror...





A obra de arte já circula na rede via e-mail.
Mas muito sinceramente temo que o horror, o drama, a vida acente neste fio de navalha, tenha vindo para ficar!
A olhar assim de relance para esta "prima dona", só me passa pela cabeça o facto de ficar pela primeira vez na vida, contra a esquerda.
Ironias!