sábado, 28 de novembro de 2009

Ajoelhou? Agora vai ter que marcar! Certo Cardoso?
Acabado o trabalho, segunda há mais, o estágio neste pequeno estádio que hoje servirá de albergue a mais um ninho de águias. O pequeno Gustavo já grita golo do Benfica, aprendeu cedo como convém, espero que traga a garganta bem afinada!

Rua da Saudade







Só para quem gosta de Ary dos Santos, e claro da Susana Félix. Rua da Saudade é o novo projecto, que presta homenagem ao poeta. Fico contente, já estava com saudades dos dois, da Susaninha e do Ary. Fica sempre bem.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

World Press Photo

Ver o mundo numa só noite pela objectiva de um desconhecido, é sem dúvida fascinante. São retratos do mundo que não deixa ninguém indiferente. A exposição está entre nós todos os anos graças à vontade da C.M. da Maia, que através do Pelouro da Cultura, faz questão de a "oferecer". Apesar de lhe deixar aqui algumas fotos presentes na mostra, não deixe de dar um pulo ao Fórum da Maia, vale mesmo a pena, mesmo para quem nunca gostou de fotografia.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Formigueiros


Já viram como a minha imagem fica fenomenal reflectida no espelho? Hoje sinto-me assim, uma verdadeira formiga. Quando não é o trabalho a lembrar, é o "resto"... pois... e quando não é o resto, é o trabalho. Vamos ver se no final ainda resta algo! Hoje o dia vai ser dedicado a colocar a escrita em dia, vamos ver se resulta...

sábado, 21 de novembro de 2009

A Montanha pariu o rato


A montanha afinal...pariu um rato. Pois é! Num comunicado absolutamente revelador da "boa horinha" do Sr. Procurador Pinto Monteiro, pode-se ler, "não existem elementos probatórios que justifiquem a instauração de procedimento criminal contra o senhor primeiro-ministro ou contra qualquer outro dos indivíduos mencionados nas certidões”. E agora, vamos falar de quê? Onde vamos arranjar uma fonte inspiradora tão boa? E os blogues anti-Sócrates, os do costume, aqueles que trabalham vinte e quatro horas por dia a tentar derrubar à custa do boato e do atentado contra o bom nome das pessoas, vão fazer o quê? Falar dos Submarinos? Hum... acho que não! Vão certamente arranjar um novo assunto, muito provavelmente numa ligação escura qualquer, do primo de José Sócrates, de à vinte anos atrás, e na qual uma vizinha escutou algo atentatório do pudor publico. É um fim de semana em beleza para o P.S, falta agora saber se alguém vai debruçar-se sobre o que realmente interessa. Ou seja se vão puxar até ao fim pela ponta do novelo de lã, que é este caso Face Oculta, varrendo todas estas "maçãs podres" da sociedade. Que não esqueçam os que habilidosamente violaram o segredo de justiça, e os punam severamente. E já agora, porque é preciso acabar de uma vez por todas com estes ataques cobardes, que nascem sem nome, que vasculhem as ligações perversas entre os jornalistas e os políticos, e vejam se não são um verdadeiro atentado à democracia.

Tami quê?

Ainda e sempre a gripe A, ou a gripe "porcina" como apelida um bloguer num post sugerido pela Otília e o qual aconselho vivamente a sua leitura. Depois de demorada leitura do artigo, ao qual o autor acusa a Dra. Rauni Kilde, a Finlandesa critica da vacina da gripe A de incapaz, fiquei ainda com mais certezas. De facto a toma da vacina não é consenssual no meio médico. Aliás uma amiga cujo o filho foi afectado pela gripe porcina, foi desaconselhada da toma do Tamiflu, muito antes de se conhecer o óbito de fetos em Portugal. Estou completamente convencido que as grávidas que perderam o fetos, desejariam nunca terem sido vacinadas, independentemente da possibilidade de perderem o bebé na mesma. Elas são de facto as mais afectadas nesta novela. Continuo completamente convencido que a pandemia instalada se deve a um vírus manipulado, mais ou menos ao jeito de fintar a crise no sector laboratorial, e com o único intuito de obter lucros fabulosos. Apesar de leigo na matéria, e de correr o sério risco de estar completamente errado, continuo a afirmar que a toma da vacina é completamente inútil. Sabemos já que a pandemia não é tão maligna como quiseram transmitir, numa magnifica campanha de marketing, e que salvo raras exepcções, ela passará ao nosso lado como uma mera constipação. Como diz o Francisco Moreira assertivamente sobre a histeria que se vive, "não compro obrigado", e eu até prova do contrário, assino por baixo.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Quando ele chega...


Ai está, tocam os sinos, não no alto da igreja como diz a canção, mas um pouco por todo o lado, a assinalar a chegada do Natal. No meu local trabalho, é sinal de tocar a reunir, como que hibernamos para o mundo durante um mês e meio, tal é a dimensão do serviço que temos em mão. Ano após ano o ciclo repete-se, e não há como fugir dele. Vou no entanto tentar escrever mais uns devaneios para quem tiver a paciência para os ler, nem que para tal invente uma "horinha" extra no meu dia. Desculpem se entretanto a acutilância e a objectividade diminuírem, não é intencional nem desrespeito por quem por aqui passa, é concerteza sinal de muito cansaço acumulado.

Bela Mafia


Garanto que hoje fiquei em pânico. Não é que ao ler a habitual página da T.S.F, para saber como vai o mundo, fiquei a saber que na Alemanha a policia tinha detido várias personalidades, acusadas de falsear resultados desportivos. A operação ao que parece foi desencadeada pela UEFA, que se recusa a divulgar os nomes dos detidos, mas adianta que a organização agora descoberta, comprava jogadores, árbitros, e dirigentes desportivos, das principais ligas europeias, para depois obter lucros nas apostas, pois como é lógico estes senhores sabiam sempre antecipadamente quem era o vencedor. Os pormenores podem ler aqui, se tiveram paciência para tal. O que me causa espanto, é esta rede não ter ramificações aqui em Portugal, ou tem?

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Parabéns


Mesmo sendo um céptico por natureza desta selecção nacional, não deixo por esse facto de vibrar menos com os seus sucessos. Hoje a entrega foi total, os vedetismos ficaram de lado, e foi notória a união colectiva dentro das quatro linhas. O resultado está aí à vista de todos, a África do sul deixou de ser uma miragem. Feito alcançando em tempo extra é verdade, mas com um sabor redrobado. Parabéns a todos, em especial ao Professor Carlos Queirós que consegue desta feita a sua primeira qualificação, para um torneio da FIFA.

Força!

É fantástico ver que afinal ainda nos unimos em torno de um designo. Nem que seja por um mero jogo de futebol. Hoje decide-se na Bósnia, o futuro da equipa de todos nós. Daqui a muito pouco lá estarei no meu estádio privativo, com janela directa para o mundo a vibrar. A vibrar e sempre com aquele meu sentimento de "Velho do Restelo", que vocês bem conhecem. No entanto, acredito sinceramente que na mente dos nossos jogadores está já a bandeira erguida bem alto, falta agora juntar o orgulho sentido pelos soldados portugueses estacionados na Bósnia, e teremos a receita perfeita para o sucesso.
Força Portugal!

Um novo Hino

Ai está! Ele é na verdade mais do que o hino à operação face oculta. Esta é a verdadeira revelação da face outrora escondida... Chama-se umas vezes Aninha, outras A Nninha, e termina com A^nninha. Não sei, mas... cá por mim, o nome é pouco importante para o caso.

E se fossem brincar ás casinhas?!

No facebook as noticias vão surgindo em jeito de pequenas provocações, e há quem seja mestre na arte, como por exemplo o José Manuel Fernandes, goste-se ou não dos seus tiques e tendências. Mas também existem os que nem sequer deveriam aparecer por lá, como por exemplo o Ionline. A foto é retirada da publicação electrónica e surge com este comentário:
"Se partir a perna dois dias depois, a culpa é da vacina?"
Segunda grávida perde feto. Especialistas garantem que a culpa não é da imunização.
Mesmo sendo uma citação, esta frase não vos parece um pouco ofensiva para quem perdeu dois bébés? Aposto que a responsabilidade deste post é de alguém sem sensibilidade, e com muitas ausências de ideias. Pode até ser muita coincidência, mas que é muito estranho já ninguém duvida, e não adianta os médicos virem a terreiro defender o seu lobbie. E já agora para responder á pergunta feita pelo ser irracional citado pela noticia, eu digo sim é possível, depende do que provocar a queda!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Papagaios do sistema

Senhores jornalistas façam lá o favor, sejam mais rigorosos, menos papagaios, e mais objectivos. Já não tenho, e suponho que mais ninguém tenha, a mínima paciência para vos ouvir, ver e ler. Esta constante correria de dar uma pertença noticia em primeira mão tem o seu lado perverso. Vocês sabem, todos nós sabemos, do que estamos a falar. É triste registar que existem políticos corruptos, apesar de não ser propriamente uma notícia nova, agora á custa disso perceber que existem jornalistas comprados, e outros vendidos, é duplamente triste. Entre ontem e hoje já conseguiram confirmar e desmentir a mesma noticia dez vezes. Como se não bastasse o facto de dar o "dito" pelo não "dito", repetir o erro por dez vezes em vinte e quatro horas, convenhamos que é incompetência a mais, ou existe também no vosso meio uma face oculta por revelar. Já agora o Presidente do STJ, vulgo Noronha, vai ser recebido no único local do país onde ninguém os pode escutar, pelas seis horas da tarde. E eles que estavam com tanto medo das escutas...olha que há "coisas" bem curiosas não há? Bom ás oito da noite já adivinho a abertura dos telejornais. Como tenho saudades das visitas da minha sobrinha, ela sempre que lá vai a casa, ocupa a TV com o Disney Channel. Tão bom não é?

Está na hora


Que a vida não nasceu fácil para ninguém já todos sabemos. Cada um tenta lidar com a que tem, com ferramentas diferentes, mas todos com o mesmo objectivo em mente, ser feliz, claro com as várias nuances que estes estado de espírito acarreta. Considero que neste percurso bem acidentado que é o meu "caminho", vou aprendendo todos os dias a ser um pouco mais feliz. No entanto, fizeram o favor de colocar à minha frente por diversas vezes, montanhas verdadeiramente assustadoras. Não sendo eu um homem de "barba rija", nem "mole", confesso que algumas foram mesmo difíceis de ultrapassar. Alguns sabem o sabor amargo sentido pelo caminho, bem melhor do que eu concerteza, não duvido. Até ao momento (porque desconheço o dia de amanhã), ultrapassei todas elas, e de todas, guardo-lhes o sabor do momento em que alcancei o cume. Pois bem, transpus todas excepto uma...há uma que só conheço meio caminho, apesar das duas tentativas para as ultrapassar! Se o sabor de chegar ao topo é doce, retemperante, magnifico, o de falhar, é com toda a lógica o oposto. Ainda guardo as marcas bem visíveis das feridas abertas pelo desafio. Sabem esta montanha é verdadeiramente apetecível, a mais desejada, a mais nobre, provavelmente a mais gratificante de todas, porém, alcançar o cume não depende só da nossa vontade do nosso esforço... e acreditem que nesta caminhada, houve quem fizesse questão de me acompanhar, saindo bem mais frustrada, e marcada do que eu. É nestas alturas que valorizamos ainda mais os, ou as escolhidas. É nestes momentos em que um simples estender a mão, se torna absolutamente crucial, que são feitas as verdadeiras revelações, tornando os momentos devastadores, em momentos de ternura, paixão, de certezas absolutas. Sabem, para quem quer ultrapassar esta montanha, não tem só pela frente como adversário o declive, tem um relógio que teima em não parar, apesar das várias tentativas para o fazer. Pois bem...a luz verde para iniciar a escalada acendeu de novo, com ela os fantasmas voltaram, as incertezas permanecem, mas a chama voltou a acender de uma forma transcendental... Vou voltar a subir a montanha de mão dada como convém, com a certeza de que esta será a última vez, mas se cair a mão ficará para sempre agarrada à mulher frágil, mas de uma coragem imensa.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Há gente que escreve as suas diferenças com letras bem grandes. Apesar das evidentes dificuldades, não desistem, lutam, aprendem, ensinam, e vencem. O vídeo, apesar de comercial, passa uma mensagem fabulosa que vale a pena ver. Ser o melhor entre os melhores, não requer uma diferença qualquer. Requer somente aquela que realmente nos faz destingir de verdade, a sensibilidade.

Afinal como é? Já não bastava a possibilidade de morrer com a doença, e temos que desconfiar também da cura? Em França um paciente vacinado desenvolveu uma doença rara do foro neurológico, em Portugal uma mulher abortou um dia depois de receber a vacina, e agora na Alemanha morreu um homem horas depois de ter sido vacinado. Será que alguém testou a vacina segundo os parâmetros da OMS? Ou serão os rumores da (in)validade da vacina verdadeiros? Já agora se alguém souber faça o favor de responder, é que já basta de histeria.

domingo, 15 de novembro de 2009

Planeta Terra sempre!

Esta é uma viagem que vale a pena fazer! Querem ver?

O lago do futuro

Há pormenores deliciosos aos quais assistimos diariamente, e não lhes prestamos a devida atenção, ou importância. Um destes dias, durante um discurso proferido por um amigo, ouvi contar uma fábula da autoria de um jornalista Catalão. É uma das muitas crónicas, neste estilo literário, que um Jornal local de Barcelona publica do autor. O discurso estava muito bem preparado como sempre, mas esta história ficou na retina pela mensagem implícita, e pela sua pertinente actualidade. Sinteticamente, esta narrativa decorre num lago, cheio de vida marítima, habitado por milhares de espécies marítimas, formando assim um belo ecossistema, sem falhas aparentes, onde todos eram prósperos e felizes. No entanto, um belo dia os governantes receberam por parte do seu departamento científico, uma notícia devastadora. O lago iria secar muito em breve. Restava portanto aos seus habitantes uns míseros seis meses de vida. Sem alternativa, os governantes apressaram-se a convocar todas as espécies para as colocar a par dos acontecimentos. Na reunião foi dito que não existiam soluções viáveis para a salvação do ecossistema, a única que se perspectivava como possível, seria os peixes começarem a sair do lago, e aprender a respirar no exterior. A totalidade da população não entendeu a comunicação como um aviso sério, excepto um único peixe, o mais fraco por sinal. Este temerário habitante, começou a elaborar um plano de treino. Na primeira semana, sairia do lago durante uma hora para aprender uma nova forma de respirar, na segunda duas horas, e assim sucessivamente, até finalmente conseguir adaptar-se à vida exterior. Os restantes habitantes do lago continuaram a viver como se não existisse um epilogo. Ao fim de três meses o peixe outrora fraco, estava completamente apto a viver fora do lago e partiu, rumo ao desconhecido, sem perceber muito bem o que o esperava neste seu mundo novo. Mas nunca deixou de visitar o seu antigo lar, era assim que matava as saudades. O lago ficava visivelmente mais pequeno com o passar dos dias, e era visível a maior dificuldade dos restantes habitantes em sobreviver. O espaço era mais exíguo, havia cada vez menos alimentos, e era quase impossível respirar. Até que ao fim dos seis meses previstos, o lago finalmente secou, e com ele pereceram todos os seus habitantes. O único sobrevivente, daquele ecossistema outrora próspero era o débil peixinho, que atempadamente se preparou para as dificuldades anunciadas, e arriscou. Ora como os tempos que atravessamos continuam a ser extremamente difíceis, e a época natalícia que vamos atravessar convida a inusitados excessos, convém lembrar alguns avisos à navegação. E este em particular é de extrema importância, quer economicamente, quer aplicado a todos os aspectos da nossa vida. Só os mais bem preparados, estão aptos a passar incólumes pelas adversidades, mesmo que aparentem visíveis fragilidades. Perdoem esta minha apetência para estas psicologias baratas, mas apeteceu-me partilhar.

sábado, 14 de novembro de 2009

Queremos mais...

Esteja onde estiver, porque não sei se irei ver o jogo, espero que apesar de todos olhos estarem todos postos no estádio da luz, a noite seja vivida em tons de verde. Um verde de uma esperança imensa, de os apoiarmos incondicionalmente no verão do próximo ano na África do Sul.

Escutas ao estado de alma

Que este país, pequeno em quase tudo, onde se recorre com frequência aos também pequenos nadas para alimentar o ego, é mesquinho, eu já sabia. Mas meus caros, vivemos um período, em que tudo, ou quase tudo, serve para derrubar o poder político instalado. Aliás sou da opinião, e ela vale o que vale, que o simples facto de os membros do governo usarem inceticida para matar moscas, serviria para derrubar o governo ao abrigo da protecção dos insectos. Senão vejamos com mais pormenor o processo de intenções que se gerou em torno deste caso putrefacto a que ironicamente apelidaram de "face oculta", mas que com o desenrolar dos acontecimentos, se vai revelando cada vez mais visível, e com o rumo bem defenido. Como é bom de ver, já ninguém está preocupado com a descoberta fundamental, com os arguidos e os actos cometidos. Para quem tem paciência de ler as minhas opiniões sabe exactamente o que penso sobre as escutas, e o quanto gostaria de as ver tornadas publicas. Ganhava de imediato o Primeiro Ministro e o Governo, porque terminavam de uma vez por todas as especulações, e ganhávamos todos nós, porque deixaríamos de viver em torno de um ruído que ensurdece o melhor dos ouvintes. É com tristeza portanto, e não é um cenário que não estivesse nos meus horizontes, que registo a eventual destruição destas conversas. É por maioria de razões negativo a todos os títulos. Deixaram mais uma vez que a sistemática violação do segredo de justiça, se encarrega-se de destruir o bom nome das pessoas, para depois queimarem o único elemento relevante para o limpar. Se esta forma de fazer justiça não se aproxima dos países de terceiro mundo, com toda a certeza estará bem próximo. Aliás a forma ainda pouco esclarecedora da forma como foram efectuadas estas escutas, são para mim um sintoma claro de um tratamento a russar o "pidesco", ou o mais perfeito sistema do período soviete. Mas adiante! Serve todo este desabafo, mais ou menos recorrente na minha escrita, e da qual já me vou fartando, para retratar mais uma vitima de toda esta lixeira política onde nos vão envolvendo.O principal partido da oposição, como todos se lembram, ou deveriam lembrar, veio esta semana, através da voz da sua líder a termo certo, exigir que o Primeiro Ministro se retratasse perante o país, de todas as acusações de que de forma ilícita é alvo. Oportunamente escrevi aqui (é só descer umas linhas e ler), afirmando ser esta forma de fazer política, escabrosa, rasteira, e que a armadilha estava preparada para Sócrates cair na tentação de responder a esta provocação, a tresandar a podre. Como todos sabem, ou deveriam saber, o Engenheiro é tudo menos inculto, ou politicamente distraído, e não respondeu, mas mandou certamente responder. Vieira da Silva, Ministro da Economia obedeceu. Falou com todas as letras, colocando o dedo na ferida, deixando questões pertinentes, cheias de oportunidade, e que certamente ficarão sem resposta, aliás com convêm. Mas ao tomar esta atitude, caiu na armadilha montada. Todos os partidos sem exepcção, que passaram a última semana em todos os meios de comunicação social, a acusar o primeiro ministro, a dizer que a justiça teria de ir até ás últimas consequências, a exigir isto e aquilo do Procurador e do Tribunal Constitucional, acham como é óbvio e convém, a resposta de Vieira da Silva "uma forma inqualificável de condicionar a justiça". Acreditem, ás vezes rio ás gargalhadas a ver tais reacções. Entendem todos estes senhores ser da mais absoluta normalidade os seus comentários acusatórios, condicionadores do funcionamento da justiça, e carregado de "recadinhos". Mas entendem o facto de alguém ligado ao Governo pensar em voz alta, que a violação selectiva do segredo de justiça se trata de pura "espionagem política", ser um crime de lesa-pátria. Eu digo, fez bem Vieira da Silva, e farão bem todos os ministros que de uma forma ou de outra se revoltarem contra este estado de "coisas". Estarão num estado de excelência se terminarem com o absurdo segredo de justiça, que serve única e exclusivamente para alimentar "jornalecos" e "jornalistasinhos", partidinhos e políticos escabrosos. Espero finalmente ver os que tão alarmados ficaram com a ínfima possibilidade do Presidente da Republica ser escutado, ficarem no mínimo preocupados com o facto do primeiro ministro ter sido efectivamente escutado, sabe-se lá por quanto e em e em que tempo. Finalmente e porque o texto já vai longo, mais do que eu gostaria, dar os parabéns aos portugueses, e ás medidadas implementadas pelo governo na economia. Portaram-se muito bem no último trimestre. Somos o terceiro país dos vinte e sete, a registar um maior crescimento da economia. Bem se isto não enche o ego dos nossos compatriotas, então o que encherá? Pelo que ouvi durante esta semana, devem ser os resultados deste jogo de setas um tanto ou quanto teleguiadas, que acerta sempre no mesmo alvo.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A propósito

Mesmo a feijões, mesmo contra outras águias de outras paragens...eu como sempre já estou em estágio.


O melhor Comercial do Mundo

Há comercias que vale bem a pena partilhar, este é um deles. Apareceu algures no Facebook, a mensagem é de arrepiar, e tenho a certeza, irá mexer com os vossos sentimentos.

Bad Luck

Por falta de sorte, ou por mero azar, os que usaram o inquérito que decorria em Inglaterra para sustentar o caso em Portugal, devem estar agora a desejar que se apague do calendário esta sexta-feira 13 de Novembro. E como eu os compreendo. Acontece a quem fala cedo demais, a quem tenta apropriar-se de factos e os tenta distorcer. Pois bem, o "Caso Freeport" já dura há quatro anos em Portugal, alimentado por "tricas" e "dicas" anónimas, mas em Inglaterra findo dois anos de investigação o caso está oficialmente encerrado. Ora que mau exemplo não é!? Mas descansem os mais entusiastas, tenho a certeza que teremos de esperar no mínimo mais quatro anos, para saber o desfecho desta novela no nosso burgo. Primeiro porque a investigação brtitânica nunca foi paralela à nossa, como muitos por aí tentaram apregoar para desgastar o "alvo", e portanto nunca afectará a dirigida pelo Ministério Publico. Em segundo, porque enquanto José Sócrates estiver a governar, convém manter o "caldinho" em banho maria, sempre se vai criando um ruído de fundo bem ao gosto dos criadores sempre anónimos deste processo. Digamos que foi só um dia de AZAR para as Manuelas e seus pares, outros dias se seguirão, até porque o calendário, prevê mais sextas-feiras 13.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Amuletos



Daqui a pouco vamos entrar em mais uma mítica sexta-feira 13. Os mais surpersticiosos como eu, vão concerteza estar atentos a todos os sinais de azar. Como homem prevenido vale por dois, deixo já ficar aqui o gatinho preto a proteger o cantinho. São heranças...boas cheias de saudade da avozinha, uma verdadeira "expert" na matéria.

Modinhas

Esta modinha da gripe A, é sem duvida uma espécie de (histeria) colectiva. Esta é a frase que venho a repetir vezes sem conta, numa tentativa de não ficar eu próprio alarmado. Mas ao que parece o "bichinho" invadiu o nosso país com toda a força, pelo menos a olhar para os números oficiais que nos são avançados pelo Ministério da Saúde. Não sei se já passaram pela urgências pediátricas de um hospital, (espro bem que não)mas se o fizeram sabem tão bem quanto eu, que o cenário é surreal! Tento covencer-me todos os dias, que o raio da epidemia vai passar ao lado...mas ela anda muito perto.

Pura ilusão óptica

O que estará para além da tempestade? Haverá algum marinheiro experiente capaz de arriscar a viagem? As águas calmas parecem querer esconder as marés de turbulência que se aproximam! Sim...é o que parece! Recuamos, claro. Qualquer um procuraria águas mais calmas para acostar.
Os gestos, os procedimentos definem a nossa essência, e por vezes apesar de turbulentos, eles são por si os mais nobres, e aqueles que nos proporcionam bons portos. Obrigado.

Liberdade a quanto obrigas

12 de Novembro de 1991, Dili,Timor Leste. Esta página negra, ficara para sempre marcada na minha memória, e nas de todos os portugueses. Os 271 Timorenses abatidos nessa tarde pela tropas Indonésias, decretaram o principio do nascimento de mais uma nação livre! Este foi também o momento em que Portugal se agigantou perante o mundo, obrigando os E.U.A a mudar dr rumo. Foi bonita a onda de solidariedade, foi bom ver renascer Timor Leste livre, mas para tudo é necessário pagar um preço, e este foi muito elevado. Dezoito anos depois, fica aqui a minha pequena homenagem a esse gente de uma alma imensa.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Simplesmente escabrosa

Ora...vamos de mal a pior. Esta senhora tem o desplante de propor ao P.M, que se pronuncie sobre o caso face oculta. Das duas uma ou quer que Sócrates viole o segredo de justiça e condicione a investigação, ou quer envolver o engenheiro, mais do que já está neste caso, muito por culpa das sucessivas violações do segredo de justiça, pelos seus arautos da desgraça situados, ou sitiados, nos meandros da esplêndida comunicação social que por cá temos. Srª Manuela eu não queria transformar o meu blogue num qualquer manual de maus costumes e maledicência, até porque jogar com o Saramago na equipa contrária, é sinónimo de estar em desvantagem logo à partida. Mas olhe, a senhora abusa! É que para além de populista, de desonesta, e desleal, a sua proposta é contrária aos suas habituais posturas e discursos. Só lhe coloco uma (será?) pergunta, onde estava a senhora quando era necessário pedir ao Dr. Dias Loureiro para explicar ao país onde estava o dinheiro do BPN? Já agora se não for massada, tente lembrar o que disse no caso das escutas, não foi o mesmo? "...O engenheiro Sócrates tem de explicar ao país se alguém anda a escutar a presidência da republica..." Foi mais ou menos isto não foi? Lembra-se do resultado final? Bom é melhor não colocar mais perguntas, não é Cara Manuela? Ups acabei de fazer mais uma. Acho que estou a tornar-me num político (cruzes), nunca consigo cumprir uma única promessa. E já agora descanse, porque o Primeiro Ministro não pode passar sem falar deste caso, mas como deve compreender, como bom politico só falará na altura própria. É que caso não tenha reparado, todos os que apressadamente tentaram desmentir noticias envolvendo-os em casos semelhantes acabaram no banco dos réus. Foi assim com Dias Loureiro lembra-se?

Metafísica da vergonha

Anda o país todo em alvoroço à procura da face oculta! Não conheço viva alma em Portugal, que não tenha parado um minuto que seja para escutar todo este alarido. Aliás, aos primeiros espirros da notícia, já alguns bloguers vizinhos vomitavam palavras de regojizo, pela fantástica descoberta. Diziam - afinal em Portugal há uma face oculta, existe corrupção, e estão a ver isso é coisa do P.S...maravilha apanharam o Vara e o sucateiro. Mas o que deu maior visibilidade a este mega-caso, foi sem sombra de dúvida os famosos telefonemas de José Sócrates para o amigo Armando. Bom aí é que foi o "bom e o bonito". Ele é abertura de telejornais, debates e fóruns, capa de jornais e revistas, e dos mais rasgados piropos aqui nos blogues, também eles da moda. Meus senhores, foi para todos eles a confirmação da existência de tráfico de influências, corrupção, e de enriquecimento ilícito, no nosso país, mais, e qual Jerónimo, qual Eureka, descobriram que afinal estes são fenómenos transversais à nossa sociedade e bem enraizados. Fantástico! Se não estou errado aconteceram no nosso país alguns casos de corrupção igualmente graves não foi? Eu sonhei ou já falaram do Caso Moderna, Apito Dourado, o Caso de Fátima Felgueiras, o Caso de corrupção na C.M.de Lisboa, o Caso dos Submarinos, o BPN, e o Freeport? Então qual é o motivo para tanto espanto? O que verdadeiramente me espanta, é continuarem a usar e abusar da violação do segredo de justiça, com a conivência do Sr. Procurador, para condenar pessoas na praça pública, e a falta de vontade de combater verdadeiramente a corrupção, qui ça por talvez a face ser tão oculta e tão transverssal, que anda muita gente agarrada ás fontes de rendimento, incluindo os que deveriam ter por obrigação investigar. O resto meus caros, toda a gente sabe que infelizmente vivemos numa sociedade maioritariamente corrupta, e onde impera o factor C. Não quero no entanto passar o pano em cima da questão, numa tentativa frustrada de lavar a cara de quem quer que seja. Aliás, o meu silêncio até agora, foi no sentido de não contribuir para a imensa intoxicação que por aí prolifera. Agora, virada a página, tentam alguns um pouco apressadamente, digo eu, tapar o sol com a peneira. Tal como no caso do Apito Dourado, consideram as escutas inválidas, e até podem ser aos olhos da lei. Mas meus caros, agora convêm saber o que se falou nos famosos telefonemas, sejam eles irregulares ou não. É que isto de divulgarem através da imprensa excertos de conversas, dos quais não se pode auferir a autenticidade e depois destruir as gravações, é de uma atrocidade sem par. Convêm para o bem e para o mal, sabermos se Sócrates só desejou bom dia ao amigo, ou se eventualmente terá cometido algum crime, convêm saber a data dos telefonemas para perceber se o Presidente da Republica estava com medo de ser escutado, porque já sabia que o primeiro ministro o estava a ser, e por fim não convêm parar agora quando se descobriu que o P.P Partido Popular recebeu dinheiro do sucateiro Godinho. Estas duas últimas questões causam sinceramente alguma estranheza, é que coincidência ou não, o Supremo Tribunal de Justiça só se pronunciou sobre a nulidade das escutas, quando alguém chamou à atenção para estes factos. Por mim saibam que podem ir até ao fim, e estarei atento na próxima terça feira ás explicações do Sr. Procurador.
Não queria finalizar sem dar os parabéns aos dois policias que despoletaram o caso. Eles fizeram corar de vergonha, quem como os sindicatos da policia, passa os dias a reclamar falta de meios para combater o crime. Aqui está a prova! Dois policias e um Juiz, resulta num mega caso. Quantos agentes tem a P.J? Pronto agora...é só fazer as contas.

E já agora façam lá o favor de acabar com o segredo de justiça, é que só atrapalha.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Adeus Robert

Trinta e dois anos e um talento que passou ao lado de uma brilhante carreira. Mas para nós Benfiquistas já foi o melhor do mundo.Porque temos memória, pelas alegrias proporcionadas, pela tua breve mas marcante passagem, e pela dedicação, obrigado Enke.

Reflexos da ambição

Sinceramente continuo a não entender porque razão continuamos a fugir da palavra ambição, como o diabo foge da cruz. O fenómeno não é de hoje, e intensifica-se, se porventura num devaneio fortuito, confessamos as nossas ambições. Talvez não seja socialmente correcto ter a ousadia de pronunciar a palavra, ela contêm um peso prejurativo associado, muito difícil de combater. Ser ambicioso por natureza é portanto sinónimo de exclusão. Convenhamos que seria inconveniente, dentro da nossa empresa confessar ao nosso superior, que gostaríamos de ocupar no futuro o seu lugar. Mas será um pecado mortal ambicionar um dia chegar mais longe profissionalmente? Não é pois não? Então porque é pecado afirmar que gostaríamos de chegar ao topo da carreira? Porque deixa de ser normal? Porque é que os nossos superiores não desconfiam, que todos os subordinados, um dia querem estar no seu lugar? Descansem os mais inquietos, eu ainda não me coloquei em "bicos de pés", mas como devem compreender eu também tenho as minhas ambições. Julgo que até os mais conformados as têm, embora façam disso o mais bem guardado dos segredos. Aliás o mundo jamais conheceria a evolução, se o homem não fosse por natureza ambicioso. Se assim não fosse ficaríamos limitados para toda a vida, a respirar, caçar para comer, e à natural procriação, ou seja nunca teríamos dado um passo fora das cavernas. Ser ou ter ambição, é um processo natural, tão comum como sonhar. Reconheço porém que existem as duas faces da moeda, porque a ambição é como o Caldo Knorr, se exageramos na dose, estragamos o cozinhado. Aquele desejo intenso que sentimos em alcançar um determinado objectivo, quando usado sem regras, sem olhar a meios, sem respeito pelo próximo, pode então nestes casos ser visto como negativo, porque o é. Aliás a palavra está até muito conotada com o campo material, onde sabemos imperar a lei da selva, caminha-se num campo minado cheio de armadilhas montadas por agiotas, na ganância de obter lucros astronómicos. Mas o desejo intenso em alcançar um objectivo, seja ele amarelo, azul, ou vermelho, não pode ser reprimido sob pena de estarmos a castrar pessoas à nascença. E muito menos devem as próprias que ambicionam, fazer uma espécie de auto-censura, castrando-se. Ao fazê-lo julgo que mais tarde ou mais cedo a factura chegará, inflacionada como sempre pelo leve passar dos anos.

Se beber não vá de Metro

São várias as campanhas pela segurança rodoviária. Em todas elas sem exepcção escutamos o slogan "Se beber não conduza", o que nunca ninguém se lembrou, é que andar de transportes públicos alcoolizado também não é lá grande ideia. Neste caso não provocou danos mais graves por mero milagre...mas o melhor é ver.

Sonho 03

Nas minhas viagens por esses blogues fora encontrei esta cara que despertou a minha atenção. No blogue a Flôr escrevia, "vamos la todos ajudar", e eu parei para ler e... sabem.... o sorriso desta menina pode estar comprometido para sempre. A pequena Carmezita está a travar a luta da sua vida. Se eventualmente é sensível por favor clique aqui, e ajude. O sonho continua a comandar a vida, não pares de sonhar Carmezita.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Mai(s) Nada

Quem diz que a justiça em Portugal não funciona, anda a enganar o "zé povinho". Ou então andam completamente distraídos, e o estado não promove os melhores juízes, para os melhores lugares. Quem ligou hoje a Tv e assistiu ao jogo pelo canal cujo o nome não se pode dizer, viu ao não viu a justiça a funcionar?
Javi Garcia, o juiz que o país inteiro consagrou, aplicou a sentença quase divina (não estivesse do nosso lado um tal de Jesus), quando já toda a gente não acreditava. E fez mais. O gesto técnico aplicado com a cabeça, é sem duvida um sinal claro aos seus colegas de profissão. Senhores Juízes está na hora de usar a cabeça. Um portentoso talento na aplicação da lei, Javi é sem margem para qualquer duvida uma fonte de inspiração para os processos que se adivinham. E haja coração!
Alcidia que seja a última vez que não ligas tá?

Porque nunca me sinto só!

Mais logo, já sabem...Não estou no estádio, mas estou sempre à espera que a minha amiga Alcidia Ligue para festejar um golo. Ahhh... Ela só festeja a cada 3 vezes que a bola que entra na baliza. Força ai Alcidia, e nada de jogar a batalha naval, não vás dar um tiro na água.

O burro sou eu?




A educação é sem sombra de dúvida o melhor investimento para o futuro. Já todos o sabemos, é quase uma frase feita. Mas a cada dia que passa, as minhas reservas vão aumentando. Primeiro foi o exemplo de Cascais, onde temos a maior taxa de licenciados no país, e nem por isso foi sinónimo da aplicação dos conhecimentos, uma vez que deram a maioria absoluta nas eleições, ao condenado Isaltino Morais. Agora um novo exemplo, este vem do outro lado do Atlântico, do Brasil. Pelos vistos a violência chegou ao ensino superior, e imaginem tudo por um par de pernas e ainda por cima dos que valem a pena olhar. A estudante ousou circular nos corredores com uma mini-saia, e pelos vistos o desfile não terminou muito bem. O melhor mesmo é ver a reportagem com os vossos próprios olhos. No entanto começa a residir em mim uma duvida substancial. Será que a aquisição de novos conhecimentos, está directamente ligado ao coeficiente de inteligência? A olhar bem por estes resultados, ficaria mais descansado se soubesse que o meu futuro nunca irá passar pelas mãos destes senhores.

Europa Livre


Vinte anos depois do fim de uma Europa adiada, que o muro teimava em separar, só me resta agradecer aos que o derrubaram. O som do cair do primeiro pedaço de cimento armado, foi o anel de noivado da nossa união. Na nossa memória deve no entanto perdurar, os que lutando por um futuro melhor, atravessaram corajosamente a maior das barreiras ideológicas que o mundo já conheceu, e pereceram aos pés da injustiça. Saibam agora os filhos da liberdade honrar o futuro desta Europa unida pela esperança. Que caminhem olhos postos no amanhã, certos que outros muros, os invisíveis, ainda esperam pela queda.

domingo, 8 de novembro de 2009

Irresistível


O mar está revolto, a praia não se recomenda. Muito vento, humidade, e frio... muito frio. A lareira é que pagou... consegui acender...e...é irresistível.

sábado, 7 de novembro de 2009

A Propósito

A propósito de tudo, ou do nada, do que fiz ou do que quero fazer, e jamais farei. A propósito dos amigos que gostava de rever e o pés teimam em travar, dos sonhos por realizar...a propósito dos meus dias...parece-me errado pensar que a minha vida é um jogo e que, se algo não correr de acordo com as minhas expectativas, posso jogar de novo, sempre de início, com renovadas oportunidades de êxito. Seria uma tontice considerar que tenho direito exclusivo a um caminho de glória, sem precalços nem desilusões, sem coragem nem heroísmo. Tenho a certeza que isso não acontece a ninguém, não neste mundo. Aqui onde vivo é preciso saber escolher e, depois, seguir em frente, preferencialmente até ao fim. Faço-o muitas vezes com o corpo pesado de tanto esforço, de mágoa, de frustração, de insucesso...
Tenho a certeza que amanhã se o sol raiar, voltarei de novo a respirar, a sorrir, a distribuir abraços, mas sempre a transportar este corpo.

Novos Mundos

Por vezes passa pela cabeça de cada um de nós, a possibilidade de não estarmos sós neste Universo que parece não ter fim. Agimos diariamente como se fossemos donos e senhores do espaço, mas no fundo desconfiámos que podemos não estar orgulhosamente sós. Esta noticia do Publico relata uma nova descoberta, que a confirmar-se verdadeira pode num futuro próximo, levar a novas epopeias, a novas certezas. E como do longe se faz perto, quem sabe um dia não chegaremos lá, ou eles cá. Para mim tanto faz, o importante mesmo era confirmar que afinal nunca estivemos sós.





O Rato não

Ouvi dizer que querem alterar a imagem do Mickey. Depois de chegar aos 80 anos, e de fazer as delicias da criançada, onde eu estou incluído, os responsáveis da Walt Disney acham por bem oferecer uma operação plástica. Modernices digo eu... Nesta intervenção, esperam dar um ar mais jovem, mais radical, ou seja prepará-lo para enfrentar com dignidade os próximos 80 anos. Depois de o ter visto majestoso, a encabeçar o desfile na Euro Disney, não concordo nada com esta ideia, e até acho que vão matar mais um pedacinho da criança que existe em cada um de nós. Sinceramente espero que não, aguardemos...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Face Oculta

Por falar em faces ocultas, alguém viu por ai o Dias Loureiro? E o dinheiro do BPN já apareceu? É pá, porreiro pá. Vivemos num país altamente desenvolvido. Acho que depois de dispensar a democracia, podemos finalmente dispensar também a justiça. Afinal em vez de julgarem os mega-casos, abrem novos só para ver se esquecemos os antigos. Olha que nunca ninguém tinha pensado nisto, nem em Itália!! Parabéns.



Suspensão da Democracia

Imaginem num breve exercício de projecção, por muito surreal que este possa ser ou parecer, que depois do acto eleitoral onde legitimamos o P.S para formar governo, fosse completamente pervertido. Isto é, deixaríamos José Sócrates com o cargo de primeiro-ministro, e para os demais ministérios, seriam nomeados políticos de todas as forças da oposição. Ou seja deixaríamos o partido vencedor da eleições em minoria no Concelho de Ministros, e na Assembleia da Republica. E pior, deixaríamos que tal acontece-se com total serenidade, como se este fosse um acto da mais elementar justiça. Em boa verdade, acho que ninguém calaria a sua revolta, isto se porventura no minuto seguinte não registássemos nas ruas a própria revolta. É certo que a politica que se vai fazendo a nível nacional, ainda não atingiu tanto descaramento, mas desconfio que um dia lá chegaremos. Pelo menos a fazer fé nos verdadeiros tubos de ensaio que são as autarquias. Em Matosinhos, na histórica freguesia de Leça do Balio, o exercício proposto no inicio do texto foi efectivado, chegou a bom porto, tiveram o descaramento ou a falta de vergonha, de levar por diante o que a nível nacional, todos consideraríamos um Golpe de Estado. O P.S, venceu as eleições locais, deveria formar o executivo, aliás como é normal em todo o país, mesmo que a diferença seja 1 voto, disse bem um voto. Mas num golpe de rins da oposição, e com muita falta de coragem do actual presidente da junta, o Partido Socialista só se vê representado no executivo pelo presidente de junta, sendo os outros quatro lugares reservados ao PSD, e á lista Independente NM. O pior foi ver os partidos da oposição abandonarem a tomada de posse como verdadeiros vencedores das eleições. Faltaram foguetes e musica apropriada a anunciar a inusitada epopeia. Mas o facto mais negativo, o que me faz levar a escrever estas linhas uma semana depois, é que em Leça do Balio ninguém se revolta, está tudo bem, parecem dar-se bem com esta suspensão da democracia. Mantive-me em silêncio na perspectiva de alguém com mais responsabilidades tomar as rédeas da situação, de expressar a revolta que se impõe. Justiça seja feita, uns quanto bloguers de Matosinhos, disseram presente, ao contrário das forças políticas. Essas estão mergulhadas num silêncio ensurdecedor, e arrastam consigo a restante população.
Eu sou matosinhense, não resido em Leça do Balio, mas garanto, se eventualmente o meu voto tivesse falado lá, as coisas não ficavam assim. É que em democracia, que julgo ainda ser o sistema politico vigente no nosso país há tantas formas de lutar, mas tantas. Já agora sr. presidente da junta, francisco da silva araújo ficava bem demitir-se, e escrevo-o sempre em letras minúsculas, por não achar mercededor de ser escrito de outra forma, pelo menos neste texto.

O Duracell da tranquilidade

E dura...dura... Com ele foi assim até ao fim. Quando olhava para o Sporting, pensava que vivia num país completamente diferente, onde os treinadores e projectos estavam acima de qualquer interesse. Afinal era só uma miragem. Resistiu a todos os ataques com uma tenacidade sem precedentes, de lobbies, imprensa, e adeptos. Mesmo na hora do adeus consegue fazê-lo com muita tranquilidade. Parabéns Paulo, és um homem de coragem, ninguém conseguiria resistir tanto tempo

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

God save the Eagle


Desculpem qualquer coisinha! Esta epedemia é bem pior que o H1N1...como tal estou de quarentena até ás 22 horas.

O sempre em pé!




Quina Barreiros (onde é que já ouvi isto?) promete fazer as delicias da estudantada na hora de destilar...perdão...queimar as fitas! E garanto que não tarda nada, fará as delicias de alguns telespectadores...hum...cheira-me.

Os Muros da Vergonha

Era já noite em Berlim, dia 9 do gélido mês de Novembro de 1989, e começava a ser derrubado o último símbolo da Guerra Fria. Apelidado como " O muro da vergonha", separou durante 28 anos, milhares de famílias, dividindo para além da cidade, uma nação inteira. Durante décadas, atravessar este símbolo do medo, foi para muitos o fim da linha, ou o inicio de um interminável cativeiro brindado com um menu recheado de torturas, e represálias.
A sua queda deixou o planeta de boca aberta, abriu corações, e fomentou a esperança. O mundo jamais seria igual. Lembro com muita nostalgia o inolvidável, concerto dos Pink Floyd na tv, os milhares de Berlinenses que em debanda atravessaram livremente a ténue linha de fronteira, e como renasceu em mim a esperança. Em vésperas de comemorar a efeméride, que assinalará o seu vigésimo aniversário, é curioso verificar como é mais fácil derrubar muros desta dimensão, do que os outros. Os que vamos construindo por este o aquele motivo, para impedir futuras agressões, ou simplesmente para servir de base de ataque. Embora mil vezes mais vergonhosos, eles passeiam bem á nossa frente, muitas vezes mal disfarçados, e outras, muito bem camuflados. Concerteza existirão muros semeados um pouco por todo o lado, a comemorar a entrada na terceira idade, sem que uma única tentativa para os derrubar tenha sido feita.
Ontem como hoje, sinto-me feliz, com a esperança renovada, com a certeza que o meu mundo jamais será igual, e com a noção que muito provavelmente do outro lado da fronteira se passará exactamente o mesmo. Sabem, oito anos depois, o meu muro da vergonha foi derrubado, caiu.
E como é bom levantar-me da cama todos os dias sem uma única fronteira para atravessar, faz-me sentir livre...de cara lavada. Alguém quer experimentar?

Sonho 02



















Hoje sonhei que era milionário...Caramba já não lembrava como era bom ter sonhos eróticos.
Dixit Renato Cardoso (e muito bem digo eu)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Toda a Verdade

Só Deus sabe o esforço que faço para não falar de futebol. São as sequelas de uma AZIA que ainda me força á ingestão involuntária de águas das pedras. Sem querer como é óbvio justificar a derrota, o GLORIOSO não ganhou porque a bola não entrou, ficam no entanto aqui as imagens que demonstram a qualidade da arbitragem em Portugal. Com ou sem fruta, lá vão eles pé levezinho e mão ligeira, sonegando a verdade desportiva. Agora percebo o ruído à volta dos processos crime.

A minha vida na sola do sapato

Sapatos sujos e gastos por aquela calçada milhares de vezes percorrida, ora acima ora abaixo, rumo definido porque a escola obriga, e o futuro pode ser mais risonho. Na mão esquerda os livros repetidamente vistos por outros olhos, na direita a minha irmã. Pois...a minha irmã. Também ela percorria aquelas malditas calçadas, autênticas montanhas mesmo que indiciassem uma descida pronunciada. Para além das mãos, os pensamentos que nos invadiam durante o percurso, religiosamente cumprido em silêncio, faziam uma espécie de casamento perfeito. Éramos cúmplices de uma caminhada sem precedentes.
Agora centenas de sapatos passados, a profecia da desgraça que eles, os sapatos sujos e gastos, que de tanta vergonha lhes haviam fugido a sola, lembro com orgulho, afinal foram eles que fizeram de mim homem e da minha irmã uma grande mulher. Não é mana?

Ponto de rebuçado

Não é necessário lembrar os tempos conturbados que o sector da educação viveu. Eles foram publicitados vezes sem conta, tantas eram as mega e mini manifestações efectuadas quase diariamente, no sentido de parar o sistema de avaliação.
Estou totalmente de acordo com a afirmação recorrente que ser professor em Portugal é difícil, que esta é sem margem para dúvida, uma das mais nobres profissões, e ainda que dentro do sector existem excelentes profissionais. Nunca duvidei, nunca o coloquei em causa. Aliás ao longo da minha vida de estudante, tive o privilégio de me cruzar com alguns deles, dos quais guardo recordações para a vida. Mas convenhamos, nenhuma destas frases faz sentido quando falamos contra a avaliação, deveria até servir como argumento para a defender, uma vez que no antigo sistema ser bom ou mau professor era premiado da mesma forma. Isto sim, aos meus olhos claro, surge como uma injustiça inqualificável. Podemos ou não estar de acordo com a forma como ela é efectuada, podemos discutir a sua burocracia, mas parece da mais elementar justiça que se faça, a bem dos excelentes profissionais, que ainda se dão ao trabalho de ensinar. O sector publico viveu largos anos ao sabor do vento, tendo sido altamente lesado pelos sucessivos governos eleitos, os quais nunca demonstraram coragem suficiente para a revolução necessária. Logo não é de estranhar toda a agitação vivida, e a que se advinha a curto prazo.
Chegou a altura de sabermos as propostas apresentadas pela oposição para o sistema de avaliação em vigor, uma vez que o quadro politico na Assembleia da República mudou, e o governo poderá ver-se obrigado ou a suspender, ou a alterar a lei já aprovada na anterior legislatura. O Bloco de Esquerda, foi entre a oposição, o primeiro a pronunciar-se com uma proposta concreta, dado que os outros partidos só apresentam como alternativa a suspensão da avaliação. A fantástica revelação dos bloquistas é sem dúvida a demonstração clara dos equívocos cometidos no último acto eleitoral. Ora na perspectiva da esquerda radical, a avaliação deveria ser efectuada em "sistema de auto-avaliação", e sem a colaboração dos alunos. Mal soube da noticia surgiram logo nesta cabecinha sem eira nem beira, três questões fundamentais. Será que neste sistema apresentado pelos Bloquistas algum professor irá dar nota negativa, como que dizendo ao jeito de quem se vê ao espelho e diz eu não gosto nada de mim? Qual é a diferença entre esta proposta dos radicais de esquerda e a suspensão emediata da avaliação? Será que este partido subestima a inteligência do povo português?
Bom eu tomei a liberdade de seguir a essência da proposta do Bloco e auto-respondi, só para ver como era.
É por estas, e todas as outras que estão bem ocultas, que temo verdadeiramente a possível chegada de partidos assim ao governo. Se um dia tal acontecer, passaremos todos a viver numa gigantesca república anárquica, como se tal fosse possível.

Sonho

Como seria bom ter um dia o mundo nas minhas mãos. Ter o poder de resolver todos os problemas que o afectam iria fazer de mim, o Homem entre os homens. Não pelo poder, pelo reconhecimento geral, mas pela felicidade infinita que traria.


terça-feira, 3 de novembro de 2009

60 Segundos

Apeteceu-me partilhar o vídeo, porque tenho a certeza que um minuto pode mudar milhares de vidas.

A Viagem

Com maior ou menor dificuldade, maior ou menor clarividência, escolhemos da melhor forma possível os caminhos a palmilhar. Claro, na hora de mudar de direcção, nos momentos em que a vida nos coloca perante alguma encruzilhada, escolhemos com absoluta normalidade, os trilhos mais bem desenhados, os que nos possibilitam ver a linha de chegada, ou simplesmente deixamos-nos guiar pelo ponto cardeal que nos leve a um clima mais ameno, mais favorável. Não é menos frequente na nossa caminhada, traçar linhas paralelas, de onde podemos espreitar os caminhos dos nossos companheiros de viagem. É uma forma natural de parameterizar a nossa própria caminhada. Gostamos de saber que não somos exclusivos, que existe alguém por aí conhecedor das mesmas paisagens, das mesmas cores e cheiros. E se porventura algum companheiro de viagem consegue com um golpe de rins, fintar o percurso tornando-o mais curto, menos agreste, logo surgem os que tentado imitar, tropeçam e caem. Não percebem ainda que por muito similares que sejam, os trilhos são todos eles únicos, como se fossem feitos à medida de cada um que os pisa. Eu sou dos que tropeçando, aprendi a levantar-me, sacudir a poeira, e seguir de novo o meu caminho procurando não voltar a repetir a finta. Vou por aí, num trilho absolutamente normal, bem desenhado, umas vezes belo nas paisagens que me mostra, outras nem por isso, bem acompanhado, e onde quase sempre encontro placas de sinalização, para poder mudar de rumo.
Mas não são raras as vezes, que paro para pensar como seria a minha caminhada, se eventualmente não encontrasse os pontos de referência. Sim como será viajar em pleno deserto, onde nada é delineado, onde se confundem os pontos cardeais, onde predominam as miragens, e onde tudo é inóspito? Nessas alturas deixo-me engolir pelo medo. Acho que nunca estarei preparado para a viagem das viagens.


Erguido das cinzas


Chama-se "USS New York", é um navio de guerra muito especial, e muito provavelmente já todos ouviram falar dele. Não me orgulha particularmente a sua capacidade bélica, as tecnologias aplicadas, e muito menos a sua imponência. O que verdadeiramente fica na retina, é esta capacidade que os americanos possuem, de se renovarem a partir do nada. A ideia de aproveitar o aço da desgraça, caído das Torres Gémeas, alimenta o ego do mais céptico cidadão do mundo. O simbolismo que para sempre transportará, levara ao mundo uma mensagem de paz, embora seja um navio de guerra, tenho a certeza absoluta. Convinha a muitos retirar o exemplo desta sociedade cheia de defeitos e com muitas virtudes, e aplica-la no nosso dia a dia.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

O peso das palavras

Há palavras que nasceram destinadas a serem grandiosas. São aquele conjunto de letras que mesmo sussurradas, têm a capacidade de mudar estados de alma, fazer a diferença entre a guerra e a paz, ou mesmo entre a vida e a morte. Elas existem, todos lhe atribuem a importância necessária, e nem preciso de as enumerar para sabermos quais são. Basta um ligeiro exercício de memória e elas surgem em catadupa. Mas existem também as outras, aquelas que aparentemente nada são, ou nada representam. Simplesmente descreverem o que nos rodeia, implicam acção, ou somente classificam o que se queira. No entanto essas mesmas palavras, as que nasceram pobres, despidas de tudo, as que não são nobres, quando ditas cirurgicamente, podem adquirir um poder igual, ou maior ao das outras, as nobres. Elas adquirem um valor acrescentado, surgem por este ou aquele motivo inflacionadas, muito pela nossa capacidade de as transformar, de lhes atribuirmos a importância (in)devida. Isto vem a propósito, porque ontem alguém disse: "...olá, então? Já tinha saudades de te ver homem! Entra!" Pois são palavras tão simples, tão banais, mas que nesse preciso momento adquiriram uma importância transcendente.